Conecte-se conosco

Saúde e Bem Estar

“A mulher do dedo podre”. Mas por que se erra tanto?

Avatar

Publicado

em

 A expressão “dedo podre”, que se popularizou nos últimos anos, se refere àquelas pessoas que repetidamente se envolvem em relacionamentos marcados pelo sofrimento. As vezes eles se estendem por vários anos – até a vida toda –, ou terminam deixando marcas de dor difíceis de serem superadas.  É lugar comum acreditar que a raiz do problema é “não saber escolher um parceiro”, mas uma análise mais cuidadosa mostra que esta é apenas uma das razões para tanto “azar” no amor.

Muita gente confessa que não acerta com ninguém. Bom, isso não é só para mulheres, mas com homens também. Mas como elas são a maioria, vou escrever especificamente para as mulheres do “dedo podre”.

A prática clínica tem me revelado que variáveis como baixa autoconfiança, baixa autoestima, crenças equivocadas sobre o relacionamento e sobre o outro, apego emocional excessivamente intenso pelo pai ou pela mãe, e também influenciam bastante no problema. A escolha de perfis “problemáticos”, muitas vezes, é apenas uma consequência das outras condições. Mas isso pode mudar? Sem dúvida, uma psicoterapia ou uma Programação Neurolinguística (PNL).

A pessoa do “dedo podre” entra em questão. Muitas características de personalidade costumam aparecer acompanhadas de outras. Para citar alguns exemplos, o cara cafajeste costuma ser bom de sexo; a mulher ciumenta costuma ser atenciosa; o cara agressivo costuma transparecer segurança e assim por diante. As características ditas “boas” – bom de sexo, atenção, segurança – atraem, mas são apenas parte do pacote que traz também aquelas características ruins, que fazem sofrer. Novamente, a única forma de prevenir é dando tempo ao tempo e buscando conhecer bastante do parceiro antes de “se jogar” na relação. Tenho ouvido muito de pacientes me dizerem que não conseguem acertar e não sabem o porquê disso. Deixa eu lhe dizer algo de suma importância… Você sabia que sou corpo diz tudo a seu respeito? Isso mesmo, o nosso corpo é modelado conforme o sofrimento da criança.

A Dra. em psicologia  Vanessa Cesnik, uma das fundadora do “corpo explica”, nos diz…

Que as pessoas que mais sofrem desse tipo situação de sofrimento, dentro dos cinco traços de caracteres é o RÍGIDO, que se forma  aos cinco anos de idade. Ela afirma que nessa idade a criança começa observar que tudo na vida tem par, e a criança como a si perguntar: cadê o meu par, e começa a desenvolver o que Freud falou sobre a síndrome de Édipo onde o menino se apaixona pela mãe e de Elétrica, onde a menina se apaixona pelo pai. Só que tanta a mãe quanto pai já estão em um relacionamento, e então forma-se um triângulo edípico. Então essa criança começa a sentir a dor da traição, se sente exclusa ao ver os pais juntos.

Mas enfim, o que a psicanálise vai falar do inconsciente?

Existe o laço criado no papai ou na mamãe, e esses relacionamentos seus diz respeito a você mesma que se autossabota para que possa voltar pra casa, o lugar de onde nunca deveria ter saído, e isso está guardadinho em seu consciente. Na realidade você saiu de casa na esperança de voltar pra casa. Para quebrar esse paradigma você precisa parar de se sentir a princesinha do papai ou o príncipe da mamãe e começar a viver a sua vida em busca do seu futuro. Eu trouxe esse caráter rígido, nome científico dado pelo “o corpo explica”. Lógico tem que avaliar de todos os ângulos, pais separados, filhos criados sem os pais por perto, crianças criadas órfãs. E portanto, precisa ser analisada por um profissional.

Algumas pessoas vão dizer, eu tenho dedo podre, mas não sou a princesinha do papai e nem príncipe da mamãe, mas isso de fato pode acontecer, mas tudo está ligado ao seu inconsciente, tem coisas lá que precisam ser resolvidas.

Para Reich seu corpo é a parte visível da sua mente, então depois de analisada a pessoa descobre como e porque a mente dela funciona de determinada forma mediante aos problemas!

Quando você não consegue viver algo, você está vivendo um movimento bloqueado, pois seu sistema nervoso se manifesta com as configurações básicas que ele tem! É assim com todo mundo! Não é porque você não lembra que não está dentro de você…

Nós temos cinco sensações básicas:

  1. Rejeição
  2. Abandono
  3. Manipulação
  4. Humilhação
  5. Traição

A maneira como cada um percebe uma situação varia de acordo com a configuração básica do seu sistema nervoso.

Quando alguém não consegue fazer o que precisa ser feito, ou não consegue parar de fazer aquilo que o está prejudicando, é por medo de uma das cinco sensações básicas.

E o corpo de cada pessoa é o reflexo visível da sua mente.

Vou falar um pouco sobre cada traço de caráter,  a nomenclatura é fiel  à literatura científica, então, não se assuste com os nomes abaixo! Não estou falando de nenhum distúrbio e nenhuma patologia.

Todos os traços de caráter são formados por dor e não podemos colocar peso nenhum nas outras pessoas, até porque a dor que molda os traços de caráter também dá os recursos e as habilidades que fazem a diferença para cada um.

Essa é a parte mais bonita da análise feita por mim, porque a abordagem é muito voltada para o recurso de cada traço de caráter! Bom, não vou me ater a falar desses traços, mas outra hora falo dos 5 traços de caráter. Pense bem, o teu sofrimento de hoje tem início no teu passado.

Edicão de texto: Narel Desiree

Elias Moura, psicanalista, logoterapeuta e teólogo

Atendo à rua Pará, 161, Vieralves (Nssa. Sra.  das Graças)

Telefones: 92 91672558 (whatsapp), 982598730

Atendimento: presencial e online. Marque sua consulta

Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde e Bem Estar

Faça um Detox da sua alma

Avatar

Publicado

em

O que está de ruim em você se chama lixo emocional

Como já escrevi aqui sobre a alma humana, e é preciso entender  o que é Psicossomático.

Todo ser humano precisa expurgar seu lixo emocional

Quero compartilhar com você um texto que achei muito interessante

Reflexão 🌾🕊

DETOX DA VIDA

“Porque a saúde não mora só no corpo”

Detox vem da ideia de desintoxicar, tirar do corpo tudo o que não lhe faz bem. Louvável, sem dúvida nenhuma. Mas o problema começa quando as pessoas resolvem achar que duas garrafas de suco verde são a milagrosa solução para melhorar suas vidas.

2021 vai chegar em breve e de nada vai adiantar desintoxicar o corpo, se a vida e a alma estão povoadas de hábitos, pessoas, dias e caminhos tóxicos. Parasitas, comodismos, vícios, medos.

Gente tóxica é o que mais tem. Gente cinza, amarga, invejosa, gente que gosta de problema, que gosta de doença, que gosta de discórdia, gente que vive de aparência, gente rasa. E não tem jeito, temos que fugir mesmo, cortar, evitar ao máximo. Bom dia, boa tarde e até logo. Não nos deixemos contaminar.

Não adianta comer chia toda manhã se a gente odeia o emprego e já sai de casa com vontade de voltar. Não dá para achar que o corpo vai estar puro se você não acredita no que faz e passa mais de 40 horas da semana ruminando tarefas infelizes.

Não adianta beber 3 litros de água por dia quando se está num relacionamento que afundou. É cômodo, todos sabemos. Mas a vida é uma só e não dá para ver os dias, meses e anos passarem com migalhas de amor e sem vestígios de paixão.

Não adianta colocar linhaça nas receitas quando só se reclama da vida, dos outros, do país, do calor, da chuva, do trânsito. É um círculo vicioso, quanto mais a gente fala das coisas ruins, menos atenção a gente dá às coisas boas e a vida vai ficando ruim, ruim, ruim.

É ilusão achar que a mudança vem de fora para dentro. Que a felicidade e a saúde cabem em embalagens plásticas com códigos de barra. Produtos podem ser ótimos coadjuvantes nessa busca, mas a verdadeira mudança é só o protagonista quem faz.

E eu quero um 2021 detox.

Detox de dias iguais.
Detox de gente ruim.
Detox de maus hábitos.
Detox de inveja.
Detox de relações doentes.
Detox de obsessões.
Detox de pessimistas.
Detox de medo de mudar.
Detox de dias desperdiçados.
Detox de sentimentos pobres.
Detox de superficialidade.
Detox de vícios.
Detox de viver por viver.

E pra fazer detox na vida é preciso coragem. Coragem para mudar, para arriscar, para romper, para fechar ciclos que há muito tempo deveriam ter terminado. O ano oficialmente começou e a pergunta é: vai ter só suco verde ou vai ter detox na vida?”

Autora: Ruth Mamus.

Pense nisso e Viva Melhor! 🤔

╔════ ೋღ🍇ღೋ════╗
Cláudio Lima
Terapeuta Naturalista
www.reformadesaude.org
╚════ ೋღ🍇ღೋ════╝

Elias Moura

Psicanalista, logo terapeuta e teólogo

Atende à rua Pará, 161, segundo andar, sala 204, interfone 204

Bairro Nssa. Sra. das Graças, Vieralves

Edição de texto: Narel Desiree

Continue lendo

Saúde e Bem Estar

IBGE: obesidade mais do que dobra na população com mais de 20 anos

Avatar

Publicado

em

Por

Foto: Divulgação

Entre 2003 e 2019, a proporção de obesos na população com 20 anos ou mais de idade do país mais que dobrou, passando de 12,2% para 26,8%. No período, a obesidade feminina passou de 14,5% para 30,2% e se manteve acima da masculina, que subiu de 9,6% para 22,8%.

Já a proporção de pessoas com excesso de peso na população com 20 anos ou mais de idade subiu de 43,3% para 61,7% nos mesmos 17 anos. Entre os homens, foi de 43,3% para 60% e, entre as mulheres, de 43,2% para 63,3%.

Os dados constam do segundo volume da Pesquisa Nacional de Saúde 2019, e foram divulgados hoje (21), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em 2019, uma em cada quatro pessoas de 18 anos ou mais de idade no Brasil estava obesa, o equivalente a 41 milhões de pessoas. Eram 29,5% das mulheres e 21,8% dos homens.

Já o excesso de peso atingia 60,3% da população de 18 anos ou mais de idade, o que corresponde a 96 milhões de pessoas, sendo 62,6% das mulheres e 57,5% dos homens.

O excesso de peso também ocorria em 19,4% dos adolescentes de 15 a 17 anos de idade, o que corresponde a um total estimado em 1,8 milhão de pessoas, sendo 22,9% de moças e 16% dos rapazes. A obesidade atingia 6,7% dos adolescentes: 8% no sexo feminino e 5,4 % no sexo masculino.

Para a responsável pela pesquisa, a analista Flávia Vinhaes, as causas para o excesso de peso e a obesidade são a baixa qualidade da alimentação do brasileiro e a escassez de atividades físicas. “Faltam políticas públicas estruturadas de combate à obesidade e ao excesso de peso, como o incentivo à ingestão de alimentos saudáveis e à prática esportiva”, indica.

É considerado como excesso de peso o índice de massa corporal (IMC) maior do que 25. A pessoa obesa tem IMC maior do que 30. O IMC é calculado pelo peso em quilograma dividido pelo quadrado da altura em metro.

Segundo o IBGE, a prevalência de déficit de peso em adultos com 18 ou mais anos de idade foi de 1,6%, (1,7% para homens e 1,5% para mulheres), ficando, portanto, bem abaixo do limite de 5% fixado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como indicativo de exposição da população adulta à desnutrição.

Atenção Primária à Saúde

Em 2019, pela primeira vez a Pesquisa Nacional de Saúde coletou informações sobre a Atenção Primária à Saúde (APS). O questionário foi aplicado aos moradores com 18 anos ou mais de idade que tiveram pelo menos dois atendimentos com o mesmo médico em unidades básicas de saúde ou unidades de saúde da família. A meta era avaliar o cuidado médico prestado nessas unidades.

No ano passado, 17,3 milhões de pessoas de 18 anos ou mais de idade utilizaram algum serviço da Atenção Primária à Saúde, nos seis meses anteriores à data da entrevista, em mais de um atendimento médico.

As respostas dos questionários receberam valores que foram usados para se calcular o escore geral da APS, que varia de 0 a 10. Segundo o IBGE, um escore igual ou superior a 6,6 aponta excelente qualidade de atenção primária à saúde. O escore geral da Atenção Primária à Saúde obtido na pesquisa no Brasil foi de 5,9.

Para o IBGE, um resultado abaixo de 6,6 significa baixa classificação e revela serviços com baixa presença de atributos da APS, como a facilidade para utilizar os serviços de saúde; a regularidade do serviço de saúde e a relação humanizada entre equipe de saúde e pacientes; a capacidade de garantir a continuidade da atenção ao paciente; a orientação familiar e comunitária.

“Como é a primeira vez que o IBGE faz esse tipo de avaliação, a gente ainda não tem uma forma de avaliar se houve evolução ou não nessa pontuação. A gente, agora, está trabalhando numa linha de base que é esse 5,9”, disse a responsável pela pesquisa.

Pontuação

Ao todo, 69,9% das pessoas de 18 anos ou mais de idade que utilizaram algum serviço da Atenção Primária à Saúde, nos últimos seis meses anteriores à data da entrevista, eram mulheres; 60,9% das pessoas eram pretas ou pardas; 65% tinham cônjuges; e 35,8%, 40 a 59 anos de idade.

Os homens pontuaram a APS com 5,9 e as mulheres, com 5,8. Entre os mais jovens (18 a 39 anos) o escore ficou em 5,6 e, entre os mais velhos (60 anos ou mais de idade), 6,1.

No país, 53,8% dos usuários de APS não tinham uma ocupação, sendo que 64,7% tinham renda domiciliar per capita inferior a um salário mínimo e 32,3%, e se inseriam na faixa de 1 a 3 salários mínimos. As pessoas não ocupadas pontuaram 5,9 e as ocupadas, 5,8.

Das pessoas de 18 anos ou mais de idade que se consultaram com o mesmo médico pelo menos duas vezes, em unidades básicas de saúde, nos seis meses anteriores à entrevista, 94,4% não tinham plano de saúde. Sua avaliação dos atributos da APS teve nota 5,9.

Os moradores cujos domicílios eram cadastrados na unidade de saúde atribuíram um escore geral de 6. Já os moradores de lares não cadastrados avaliaram a APS com escore geral de 5,5. Entre aqueles que receberam pelo menos uma visita de algum agente comunitário ou membro da equipe de saúde, o escore foi 6,1, e para os que nunca receberam qualquer visita destes profissionais, o escore foi de 5,7.

No Brasil, o motivo mais frequente da procura por atendimento médico foi doença ou outro problema de saúde ou continuação de tratamento (52,5%), vindo, a seguir, exames periódicos (40,2%).

 

*Por Ana Cristina Campos/Agência Brasil

*Edição: Kleber Sampaio

Continue lendo

Saúde e Bem Estar

O marido que queria matar a esposa

Avatar

Publicado

em

Foto/ internet - arte Elias Moura

Um casal que já estava casado há cerca de dez anos estava em pé de guerra. As brigas eram frequentes, não havia mais tanto diálogo entre eles e nenhuma atitude de carinho podia ser vista já há muito tempo. Todos já davam como certo que a separação era questão de tempo.

O marido, após ter brigado novamente com a esposa, foi até à casa do pai para desabafar sobre toda essa situação que estava vivendo:

– Pai, não aguento mais essa mulher, tenho ódio dela. Se eu pudesse a mataria, não suporto nem mais olhar para a cara dela.

Ilustrações Cristãs: Quero matar a minha esposa!

O pai, percebendo exatamente o que se passava, faz uma proposta inusitada ao filho:

– Filho, eu posso te ajudar a matar essa mulher insuportável. E o melhor: ninguém vai descobrir!

– Tem certeza, pai? Como seria isso?

O pai, então, passa a dar a ele detalhes da parte do plano que caberia a ele:

– Você deve fazer tudo da forma que eu te falar, filho, senão não vai funcionar!

– Claro, pai, diga-me os detalhes. Quero acabar com aquela insuportável!

– Primeiro, você terá que fazer as pazes com ela. Sei que isso será difícil para você, mas isso é para que ninguém desconfie quando ela morrer. Você não quer ir para a cadeia, quer?

– O que mais, pai, isso é fácil!

– Além de fazer as pazes, você precisar começar a tratá-la com gentileza, cuidar dela com carinho, ser paciente, escutá-la quando ela desejar conversar, levá-la para passear, ser romântico com ela…

– Nossa, pai, será que vou conseguir?

– Claro que vai, filho, é por uma boa causa. Em 30 dias ela estará morta e você em paz. Você só precisa pegar esse pozinho aqui e colocar uma pitada por dia na comida dela, sem ela perceber. Ela vai ficar doente aos poucos e vai morrer. E o melhor: ninguém vai perceber que você quem a matou! Você vai ficar livre desse fardo.

– Combinado, pai, me dá o pozinho aqui, vou começar hoje mesmo!

Passados os 30 dias para que o pozinho fizesse o efeito, o filho aparece aos prantos na casa do pai, em desespero. O pai abre a porta rapidamente.

– O que foi, filho, o que aconteceu?

– Pai, eu não quero que ela morra, mas dei o pozinho para ela vários dias, estava com muita raiva. Teve dias que coloquei até o dobro do que você mandou. Mas não quero mais que ela morra!

– Mas por que não quer que ela morra, filho? Esse não era o seu desejo?

– Depois que fiz tudo que você mandou algo mudou, pai. Eu passei a amá-la, a respeitá-la mais. Ela também passou a me tratar com muito carinho; e hoje, só de pensar que ela vai morrer me vem um grande desespero no coração. O que vou fazer, pai, me ajude, por favor!

– Calma, filho, ela não vai morrer.

– Como assim, pai, eu dei aquele pozinho vários dias para ela, ela vai morrer…

– Filho, aquele pozinho que lhe dei não passava de farinha, não fará nenhum mal a ela. Na realidade, desde o início eu queria que você aprendesse que o veneno não estava nesse pozinho que você pensou que iria matá-la, o veneno estava em você que foi matando a sua relação pouco a pouco, dia a dia, quando deixava de fazer coisas importantes para que seu casamento fosse saudável e feliz!

Analisando o texto: muitos casais não se suportam mais – mas por que? relacionamento não é tão simples assim, exige muita compreensão. Geralmente quando não há reciprocidade começão a maltratar com palavras e agressões físicas, e o respeito já não existe mais. Note que quando ele passa a deixar de lado o egoísmo, mesmo contra a sua vontade, ele passa a respeitá-la e a cuidar de fato dela. É isso que o outro quer, ser amado (a) e respeitado (a). Se acerte o mais rápido possível, não deixe para o amanhã. Há um texto bíblico que diz que ”não devemos pôr o sol sobre nossa ira” (Ef. 4.26). Isso significa que nunca devemos deixar a reconciliação para o amanhã, não sejamos demasiadamente procrastinadores.

As pessoas estão tão preocupadas com as suas vidas e acabam esquecendo-se do outro, perdem o sentido na hora de amar alguém, como o cônjuge, por exemplo. Mas bem sei que alguns estão vivendo por viver, perderam o sentido da vida. O sentido da vida segundo Viktor Frankl reside em encontrar um propósito, em assumir uma responsabilidade para conosco e para com o próprio ser humano. Assim, tendo claro um “porquê” poderemos enfrentar todos os “como”.

Precisamos dar mais e pedir menos. Às vezes queremos tanto do outro sem nos questionar o quanto devemos dar mais de si ou até mesmo se doar mais ao outro. Infelizmente o outro só que ser servido, não sente mais a vontade de fazer surpresas. Pare de tirar vantagens do seu cônjuge, do seu amigo (a).

Elias Moura

Psicanalista clínico, logoterapeuta e teólogo

Atendimento à rua Pará, 161, Vieralves (Nssa. Sra. das Graças)

Contato: whats – 991672558

Edição de texto Narel Desiree

 

Continue lendo

Facebook

Propaganda
Propaganda
Propaganda

Mais Lidas

Copyright © 2020 Portal do Minuto. Todos Direitos Reservados. Portal - Manaus