Conecte-se conosco

Cultura e Entretenimento

Arqueólogos encontram ‘cemitério’ com urnas indígenas que podem ter mais de 500 anos, no AM

Publicado

em

cemitério indígena

Arqueólogos do Instituto Mamirauá encontraram um “cemitério” na Amazônia com nove urnas funerárias indígenas que podem ter mais de 500 anos. A descoberta aconteceu em julho na comunidade Tauary, localizada na região central do Amazonas. As urnas estavam enterradas a uma profundidade de 40 centímetros da superfície, dentro de uma área de 4 metros quadrados nas imediações de uma escola comunitária.

“Nós descobrimos mais de uma por dia, primeiro veio uma, começávamos a limpar, aí surgia outra ao lado, elas foram aparecendo como um efeito dominó”, conta o arqueólogo do Instituto Mamirauá, Eduardo Kazuo Tamanaha.

A carência de vestígios, como a terra preta de índio (solo muito fértil e característico de antigas ocupações humanas na Amazônia), e fragmentos de cerâmica indicam que aquela seria uma área específica do sítio arqueológico, possivelmente reservada ao enterro de corpos, como um cemitério da antiga sociedade que ali vivia.

“As urnas funerárias fazem parte das práticas mortuárias de muitos grupos indígenas. Elas eram mais comuns no passado, mas ainda há relatos de alguns sepultamentos em épocas recentes sendo feitos em urnas, mas também em cestarias ou redes. Elas são muito variadas e estão intimamente ligadas às crenças e religiões praticadas, parecido com o que é praticado nos cemitérios das cidades”, ressalta Anne Rapp Py-Daniel, arqueóloga e especialista no estudo de urnas arqueológicas na Amazônia, que também participou das escavações.

Padrão curioso

A maneira como as urnas foram encontradas chamou a atenção dos arqueólogos.

“As urnas funerárias têm rostos desenhados, o interessante é que nenhum desses rostos estava ‘olhando’ para outro. Se uma urna foi enterrada com o rosto para cima, a urna ao lado dela estava ‘olhando’ para baixo, e a seguinte estava enterrada de lado. É como se elas não quisessem olhar uma para a outra. As urnas seguiam uma ordem, claramente elas foram enterradas daquele jeito e foi intencional”, comenta o pesquisador do Instituto Mamirauá.

O conjunto das urnas arqueológicas também se diferencia pela variedade entre tipos e adornos nos acabamentos cerâmicos, como a pintura de cabeças humanas, formas animais e a presença ou ausência de bancos, onde as urnas podiam ser colocadas.

“Alguns grupos indígenas do passado representavam a identidade dos mortos ou símbolos (de entidades, de deuses, de animais mitológicos, etc.), que acreditavam ser importantes, nessas urnas. Ou seja, elas além de receptáculo para os mortos, também contam diferentes estórias sobre a sociedade que as produziram e no que ela acreditava. Infelizmente, na grande maioria das vezes, os arqueólogos não têm o ‘dicionário’ que permita fazer uma tradução exata desses símbolos”, conta Anne Rapp Py-Daniel.

O motivo ou motivos dessa organização curiosa e para tantos detalhes ainda são desconhecidos, mas a equipe de especialistas espera encontrar pistas a partir de análises mais aprofundadas no Laboratório de Arqueologia do Instituto Mamirauá, localizado na cidade de Tefé, no Amazonas.

“Esperamos ter essas informações a partir das próprias urnas, associando ao local em que elas estavam depositadas, a sua decoração, com a morfologia, o conteúdo que tinham dentro e juntar todos esses fatores em busca de algum sentido para elas estarem ali da forma que elas estavam”, explica Eduardo Kazuo.

Urnas enterradas sobre “cama” de civilização ainda mais antiga

Com base nas avaliações preliminares do material e na profundidade das covas, os arqueólogos acreditam que as urnas podem ter sido enterradas ao mesmo tempo. “Se fossem momentos diferentes de enterramento, as urnas estariam em alturas distintas. É como se tivessem escavado uma única cova e depositado uma urna ao lado da outra”, aponta o arqueólogo.

A escavação também revelou sinais de uma sociedade ainda mais antiga que aquela que produziu as urnas funerárias. São fragmentos de cerâmica que pertencem a um grupo que habitou a mesma região, mas em um tempo diferente.

“A urnas do Tauary são próximas ao ano 1500 depois de Cristo. Mas essa outra cerâmica encontrada aparenta ser muito mais antiga, com uma diferença de 40 centímetros de profundidade em relação ao período das urnas, o que indica uma passagem grande de tempo”, conta.

Segundo o pesquisador, a hipótese é que o grupo que escavou os buracos para depositar as urnas encontrou o material mais antigo.

“Pegaram todo esse material, espalharam e fizeram quase que um piso de cerâmica, colocando as urnas em cima dele. É uma cerâmica mais antiga que provavelmente não tem a ver com os antepassados deles”, acredita o pesquisador do Instituto Mamirauá.

Sítio arqueológico

Na comunidade Tauary, existe um grande sítio arqueológico, cuja real extensão ainda está sendo levantada pelos arqueólogos.

Em 2014, as primeiras urnas funerárias foram encontradas no lugar e, quatro anos depois, os pesquisadores retornaram para mais investigações sobre “a trajetória histórica de ocupação do Tauary e os vestígios encontrados, sejam materiais cerâmicos ou botânicos, na terra ou sobre a terra, no presente e no passado”, define Eduardo Kazuo.

Conhecida pela decoração com uso de pinturas vermelhas e pretas, a Tradição Polícroma da Amazônia é um conjunto de cerâmicas que fazem parte da pré-história da região.

“A Tradição Policroma da Amazônia é um estilo que tem larga abrangência nas terras baixas da América do Sul, presente em um eixo oeste-leste desde o sopé (das Cordilheiras) dos Andes até a boca do rio Amazonas e também é vista nos afluentes do rio Amazonas/Solimões”, afirma a pesquisadora Márjorie Lima, do Laboratório de Arqueologia do Instituto Mamirauá.

“Urnas funerárias como as que foram encontradas são comuns pela Amazônia brasileira e nas partes amazônicas de países como Peru e Equador”, afirma o arqueólogo do Instituto Mamirauá, Eduardo Kazuo Tamanaha. “Mas os pesquisadores costumam recebê-las da mão de moradores do local, que de fato encontram os artefatos e os retiram da terra. Agora, escavar e encontrar uma cova com as urnas dessa cultura, do jeito que estavam, e realizar todo o registro científico, é algo inédito”, finaliza.

*Fonte: Portal G1

Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cultura e Entretenimento

Exposição “Memórias que Falam de Amor” celebra O Dia Internacional de Sensibilização e Conscientização da Perda Gestacional, Neonatal e Infantil

Publicado

em

Por

Está em exibição desde a última quarta-feira (13), a Exposição Memórias que Falam de Amor”, na CMM (Câmara Municipal de Manaus) localizada na Avenida Padre Agostinho Caballero, 850 – Santo Antônio – Zona Oeste de Manaus.

Dia 15 de Outubro é o dia Internacional de Sensibilização e Conscientização da perda gestacional, neonatal e infantil. A exposição “Memórias que falam de amor” é uma mostra fotográfica em que 4 fotógrafas, realizam os registos de muita sensibilidade, 10 mães e famílias retratadas que enfrentaram o luto parental nas perdas gestacionais, neonatais e infantis e seguem amando com um céu de distância, pensando e criando memórias de quem jamais será esquecido.

As imagens são remetidas a existência dos “bebês anjos” honrando a memória, reforçando a importância que continuam tendo para suas famílias, mesmo não estando mais aqui fisicamente.
Em Manaus, no dia 29 de Setembro de 2021 foi instituída a lei 2.789 como Semana Municipal de Sensibilização e Conscientização sobre a Perda Gestacional, Neonatal e Infantil no calendário da Cidade de Manaus.


Esta mostra foi produzida pelo Instituto Amor Nosso e a Clínica Menthal Saúde, com a curadoria de Caroline Loureiro e Claudia Higuchi, com a participação das fotografas Andrea Mesquita, Caroline Moraes, Paula Moraes, Rafaella Moraes.

A abertura da Mostra foi realizada no dia 13 de outubro na Câmara Municipal de Manaus e se estenderá até o dia 15 de outubro.
No período de 18 a 26 de outubro, a Mostra estará disponível para visitação no Centro Cultural Povos da Amazônia que funciona de terça a sábado de 9:00 as 15:00 horas.

Continue lendo

Cultura e Entretenimento

Exposição Virtual C(r)omo(s) somos 21 é exibida no Anfiteatro Gabriel Gentil, no Centro Cultural dos Povos da Amazônia

Publicado

em

Por

Nesta última quarta-feira (06), cerca de 25 pessoas, incluindo professores, pais e assistidos pela APAE Manaus, realizaram uma visita no Centro Cultural dos Povos da Amazônia, que fica localizado na Av. Silves, 2222- Bairro Crespo, Zona Sul da cidade.

Durante a visita, o grupo pode prestigiar o Museu Homem do Norte, inaugurado em 13 de março de 1985, funcionando em um prédio da Av. Sete de Setembro, no centro de Manaus, o Museu do Norte foi administrado pela Fundação Joaquim Nabuco, por meio do seu Instituto de Estudos da Amazônia até 2006 quando cessaram as atividades da FUNDAJ na região norte. Assim, em 29 de setembro de 2011, o Museu do Homem do Norte reabriu suas portas ao público, em nova fase, com nova curadoria, e adequadas instalações realizando, inclusive, uma aspiração do seu projeto original: de possuir espaços expositivos ao ar livre, o que foi possível graças a atual localização, no Centro Cultural dos Povos da Amazônia que dispõe de ampla área externa.

Os visitantes também puderam assistir a um filme no Cine Silvino Santos e no Salão Rio Amazonas, e puderam contemplar o último dia da exposição Mãe Amor revelado.

No anfiteatro Gabriel Gentil foi exibida a Exposição Virtual C(r)omo(s)somos 21 , contemplada no Prêmio Conteúdo Virtual da Secretaria de Cultura e do Governo do Estado do Amazonas em 2021.
A mostra narra a influência da arte no desenvolvimento psicossocial em 21 pessoas com Síndrome de Down que participaram do XI Festival Estadual Nossa Arte do Amazonas.

 

“Possibilitar aos assistidos da APAE Manaus “se verem” no Telão , como no cinema, pela primeira vez é algo indescritível pois é concretizar e reconhece-lo como um artista.” Como afirma a fotógrafa e curadora da Exposição virtual Claudia Higuchi .

Esta ação foi realizada em parceria com a Federação da APAES do Estado do Amazonas, APAE Manaus e a Gerencias dos Museus que compõe o Centro Cultural Povos da Amazônia.
A mostra contemplada pelo prêmio conteúdo virtual esta disponível no https://www.youtube.com/watch?v=yuHIuKitsmIou no instagram @claudia_higuchi.

Continue lendo

Cultura e Entretenimento

Equipe de Liziane vai processar Borel por comparação com Coringa

Publicado

em

Por

A equipe de Liziane Gutierrez confirmou que vai processar Nego do Borel, nesta terça-feira (21), após o cantor imitar a participante. Durante uma conversa com outros peões em A Fazenda 13, hoje mais cedo, ele a chamou de “Coringa”, personagem de um filme. A informação foi confirmada ao R7 pela assessoria da modelo.

De acordo com Irinaldo Oliver, o jurídico já foi notificado e vai entrar com uma ação na Justiça. “Foi muito antiético da parte dele, um comentário desnecessário e infeliz. Ele que pede tanto respeito ao próximo, desrespeitar uma pessoa dessa maneira”, disse.

Procurada pela reportagem, a assessoria de imprensa do cantor afirmou que só vai se pronunciar sobre o assunto após ser notificada formalmente.

Ataques contra aparência física da modelo

Na semana passada, a equipe de Liziane divulgou um comunicado oficial repudiando os ataques contra a modelo nas redes sociais. A participante de A Fazenda 13 vem recebendo mensagens e publicações criticando a aparência dela por conta de algumas cirurgias plásticas malsucedidas.

Veja a matéria completa: D24 https://bityli.com/SlBkxy

Continue lendo

Facebook

Propaganda
Propaganda

Mais Lidas

Copyright © 2021 Portal do Minuto. Todos Direitos Reservados. Portal - Manaus