Conecte-se conosco

Mundo

Brasileira leva filho a hospital e encontra marido morto ao voltar para casa

Avatar

Publicado

em

esposa encontra marido morto

Após uma semana de chuvas intensas, autoridades japonesas ainda contabilizam o número de mortos, e as equipes de resgate buscam mais de 60 pessoas levadas pela enxurrada de água e lama que atingiu 15 Províncias da região oeste do Japão.

Até quinta-feira (12), o total de vítimas fatais havia superado 180. Edualdo Ogata, de 53 anos, não entra nessa contagem, embora sua morte tenha sido indiretamente decorrente da calamidade.

O paulista residente no bairro de Aki, em Hiroshima, teve um infarto possivelmente na madrugada do dia 7, enquanto a esposa e os dois filhos tentavam retornar de carro à residência, driblando ruas alagadas e estradas desmoronadas.

Marcela Tiemi Campos Saimi, de 36 anos, só conseguiu rever o marido dois dias depois, já como viúva. “Está difícil, não sei como estou suportando tanta dor”, desabafa.

Uma combinação de fatores fez com que o drama familiar tivesse esse desfecho. Marcela costumava chegar do trabalho sempre por volta das 18h e o marido, às 21h. Mas, no dia 6, uma sexta-feira, tudo foi diferente.

Uma faixa extensa do Japão tinha sido atingida por chuva recorde que fez montanhas cederem e rios transbordarem. Em quatro dias, ocorreram mais de 440 deslizamentos de terra no sudoeste do país.

O governo ainda não sabe a dimensão dos danos, mas estima que, só no setor agropesqueiro, o prejuízo alcance US$ 98 milhões (R$ 381,6 milhões). Até a quinta-feira (12), foram contabilizadas 14 mil casas destruídas só em Okayama, uma das cidades mais atingidas junto com Hiroshima, e havia ainda 5,5 mil pessoas vivendo em abrigos em todo o país.

O último telefonema

Parte da tragédia já vinha sendo anunciada desde cedo. Alto-falantes instalados em praças públicas alertavam para a chuva torrencial e deslizamentos, e avisos semelhantes eram recorrentes na tevê.

No dia, quem tinha ido trabalhar usando transporte público foi dispensado mais cedo, enquanto funcionários que utilizam carro cumpriram o expediente.

Esse cenário dificultou o rápido retorno de Marcela à sua casa. O trajeto, que ela costumava percorrer em uma hora, levou mais de sete.

Já era meia-noite quando a brasileira passou por uma loja de conveniência para se abastecer de salgadinhos, pensando em assistir ao jogo da Copa entre Brasil e Bélgica algumas horas depois.

Estava com os dois filhos no carro – o caçula, de 9 anos, em estado febril. Tentou se apressar, porém, deparou com barreiras nas ruas próximas ao apartamento onde mora. O rio Seno havia transbordado.

Marcela conversou com o marido por celular e ambos concordaram que seria melhor levar as crianças de volta à casa da irmã de Marcela, que fica nas proximidades. O telefonema à 1h49 foi o último entre eles.

‘Não posso chorar’

Com o filho cada vez mais debilitado, Marcela precisou chamar a ambulância e por várias vezes tentou, em vão, falar com o marido sobre isso por telefone.

“Nove anos atrás, ele passou por uma cirurgia por obstrução da veia e tomava remédio para o coração uma vez ao dia. Por esse histórico, tive medo, mas procurei não pensar em nada, tinha de correr com o menino para o hospital”, diz Marcela. Seu filho estava com apendicite e acabou passando por uma cirurgia.

Incomodada com o silêncio do marido, Marcela pediu a amigos da filha de 16 anos para irem ao apartamento. Eles encontraram a porta destrancada, as luzes acesas, o ar-condicionado ligado e o corpo de Edualdo inerte. E assim ficou por dois dias, sozinho, até a chegada da equipe médica para a autópsia.

“Deixei meu filho no hospital e fui ao apartamento com minha menina ver o corpo. Tive de buscar forças não sei onde para tentar acalmá-la. Eu não posso chorar. Tenho que ser forte, mas não está dando”. Segundo Marcela, os filhos eram muito apegados ao pai.

O corpo foi velado e cremado na terça-feira. As cinzas devem ser levadas para o Brasil, onde a mãe de Edualdo aguarda há 35 anos a volta do filho. Desde que veio ao Japão trabalhar em fábricas, como fizeram milhares de brasileiros, ele nunca tinha retornado à terra natal.

A preocupação continua

No Japão, Edualdo conheceu Marcela 17 anos atrás e formou uma nova família.

“A ficha ainda não caiu. Muita gente aqui tem outras preocupações. Minha casa tem água, mas, em alguns lugares, a torneira continua seca. E nós precisamos buscar comida longe. Se antes comprava em um mercado a dez minutos de casa, agora levo uma hora e meia para me abastecer”, diz Marcela.

As nuvens densas desapareceram dos céus, mas as preocupações continuam. Na província de Hiroshima, um reservatório pode ceder e elevar o nível dos rios.

O solo amolecido em parte de montanhas também aumenta o risco de novos deslizamentos, e além de barro, árvores poderiam bloquear rios e piorar a situação.

A Agência de Meteorologia tem reforçado alertas contra insolação devido às altas temperaturas, sempre acima dos 30 graus em grande parte do Japão.

Enquanto 75 mil homens continuam trabalhando sob sol escaldante na busca por desaparecidos, outro batalhão de voluntários está se formando para ajudar na limpeza e arrumação das casas.

*Fonte: BBC

Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil

Ernesto Araújo pede demissão do Ministério das Relações Exteriores

Avatar

Publicado

em

Por

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, pediu demissão do cargo nesta segunda-feira (29).

O pedido ocorre após pressão de parlamentares, inclusive dos presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

A situação política de Ernesto vinha se deteriorando nos últimos dias. No Congresso, a avaliação é de que a atuação do ministro isolou o Brasil no cenário internacional e prejudicou a obtenção de doses de vacina contra a Covid-19.

Ernesto adotou em sua gestão os mesmos princípios da política externa do ex-presidente norte-americano Donald Trump. Essa postura gerou atritos com importantes parceiros comerciais, como a China, principal destino das exportações brasileiras, além de maior produtor de insumos para vacinas no mundo.

Continue lendo

Mundo

Criminoso abre fogo em supermercado do Colorado e mata 10 pessoas nos EUA

Avatar

Publicado

em

Por

Um criminoso abriu fogo em um supermercado da cidade de Boulder, no Colorado (Estados Unidos), e deixou 10 mortos mortos nesta segunda-feira (22). Entre as vítimas, está um policial.

O policial morto é Eric Talley, o primeiro a chegar ao supermercado King Soopers, na cidade localizada a cerca de 50 km a noroeste de Denver, capital do Colorado.

“Sabemos de 10 mortes no local, incluindo um de nossos oficiais de Boulder. O oficial Tally respondeu à cena – ele foi o primeiro a chegar – e foi morto a tiros”, disse o chefe de polícia Maris Herold.

De acordo com o comandante da polícia de Boulder, Kerry Yamaguchi, uma pessoa considerada suspeita de ser o criminoso foi presa. Jornalistas da agência Associated Press flagraram um homem saindo algemado do estabelecimento, com sangue escorrendo nas pernas, mas não se sabe como ele se feriu. As motivações para o crime ainda não estão claras.

Continue lendo

Mundo

Cristãos no Iraque preparam-se para receber o papa Francisco

Avatar

Publicado

em

Por

Foto: ONU

Em Mossul mora Thanoun Yahya, resistente cristão iraquiano. Os militares do autoproclamado Estado Islâmico ocuparam sua casa durante três anos. É um dos muitos testemunhos de quem sofreu na pele a violência da guerra. Na visita de três dias ao Iraque, com início marcado para a próxima sexta-feira (5), o papa Francisco fará uma parada em Mossul. Pretende aproximar-se das comunidades vítimas do conflito, onde igrejas foram usadas como tribunais religiosos pelos islamitas.

Thanoun Yahya, de 59 anos, não apagou a mensagem no portão deixada pelos ocupantes. “O Estado Islâmico perdura”, escreveram.

Essa memória assinala a resistência da minoria cristã que ainda vive em território iraquiano. “Mas não restam muitos de nós. A geração mais jovem quer partir”, disse Yahya à Reuters.

No bairro onde mora, só resta a família de Thanoun. Antes, viveram ali mais de 20 pessoas.

“O papa não nos pode ajudar, apenas Deus pode”, disse Yahya, sem deixar de sublinhar que aprecia a visita do Sumo Pontífice da Igreja Católica.

Os cristãos no Iraque chegaram a ser 1,5 milhão e eram tolerados durante o governo de Saddam Hussein.  Após a invasão liderada pelos Estados Unidos em 2003, começou a partida em massa de crentes cristãos.

Em 2004, as minorias religiosas eram sequestradas e executadas pela Al Qaeda. Yahya recorda que teve de vender a serralharia da família para pagar o resgate do irmão.

Mossul foi convertida em cidade-sede do governo islâmico quando, em 2014, um terço do território iraquiano estava sob domínio do Estado Islâmico.

A família de Yahya fugiu para o território curdo ao norte do Iraque e foi das poucas que regressou a Mossul, depois de o Estado Islâmico ceder às mãos dos militares iraquianos, em 2017. Temem que a história se repita.

Atualmente há cerca de 400 mil cristãos no Iraque.

O cardeal Sandri, citado no Vatican News, explica que a viagem do Papa Francisco pretende transmitir uma “mensagem de consolo, de paz, de admiração por tudo o que sofreram”. A mensagem solidária não se dirige apenas a cristãos.

“Ele terá palavras poderosas para o Iraque, onde foram cometidos crimes contra a humanidade”, diz Najeeb Michaeel, arcebispo católico caldeu da cidade de Mossul, citado na France 24.

Francisco pretende que, desse contacto com as diferentes comunidades religiosas, resulte um melhor diálogo cristão-muçulmano. Nests contexto, a agenda do Sumo Pontífice integra um encontro com o principal clérigo xiita, o grande ayatollah Ali Sistani, em Najaf, ao sul de Bagdá.

“É uma visita histórica, o encontro terá grande impacto, estamos falando do chefe de uma comunidade religiosa que representa 20% da população mundial”, destacou o governador de Najaf, Luay al-Yasserit, citado pela France 24.

Francisco foi convidado pelo presidente Barham Saleh em 2019, e a visita ao Iraque irá até 8 de março.

 

*Por Carla Quirino / RTP

Continue lendo

Facebook

Propaganda
Propaganda
Propaganda

Mais Lidas

Copyright © 2021 Portal do Minuto. Todos Direitos Reservados. Portal - Manaus