Conecte-se conosco

Mundo

Escola dá troféu de ‘mais irritante’ a menino com autismo

Avatar

Publicado

em

Enquanto alguns alunos recebiam prêmios como o de estudante “mais popular”, “engraçado” ou “falante”, Rick e Estella Castejon precisaram assistir seu filho, de 11 anos e com autismo, ser nomeado como o garoto “mais irritante” em uma cerimônia de uma escola americana.

“O que é irritante e humilhante foi ver meu filho ali, na frente de pessoas estranhas, recebendo o prêmio e não entendendo do que se tratava”, desabafou Estella ao programa Outside Source, da BBC.

O evento, que marcou o fim do ano letivo, foi realizado no final de maio em uma escola no Estado de Indiana. Segundo veículos da imprensa americana, a instituição pediu desculpas e afirmou ter aberto uma ação disciplinar envolvendo parte da equipe pedagógica, mas a BBC não conseguiu mais detalhes da unidade.

De acordo com Rick, que estava presente na cerimônia junto com outros pais e alunos, a própria professora do filho apresentou a premiação.

“Achei que ele fosse levar um prêmio bacana. Aí anunciaram ‘criança mais irritante’… a professora viu que eu fiquei chateado, e mencionou que as crianças fizeram as escolhas dos premiados, não os professores. Eu não entendi por que [os professores] deixaram que isso sequer fosse uma opção [o prêmio de ‘mais irritante’].”

Ele lembra que a plateia ficou em silêncio e que a funcionária da escola tentou levar a situação como uma brincadeira.

“Acho que eles [a escola] pensaram que era uma piada engraçada, não viram nada de errado. Mas eu nunca vejo meu filho ou qualquer criança como irritante”, lamenta.

O filho de Rick e Estella não se comunica verbalmente e, segundo seus pais, aparentemente não entendeu o significado do troféu que recebeu.

“Se ele está correndo de um lado para o outro, se está batendo palmas, se está rindo do nada… é isto que ele faz”, diz Estella. “Mas como professora de uma criança com necessidades especiais, você deveria estar treinada para estas coisas, para lidar com elas e, mais importante, ter paciência.”

“Para mim, isto é uma professora permitir o bullying de um aluno. Isto é insano e triste em tantos níveis.”

Por outro lado, Estella se emociona com a solidariedade que tem recebido de outras pessoas.

“Há muitas pessoas que se importam. É emocionante ver que meu filho tocou tantos corações”, afirmou. “Como mãe, colocamos nossos filhos na escola para que eles sejam melhores adultos no futuro. Então, só quero que meu filho e qualquer criança com necessidades especiais tenham uma educação correta.”

Um desafio cotidiano

Dificuldades para que crianças autistas tenham uma experiência escolar satisfatória, como deseja Estella, fazem parte do cotidiano de muitas famílias.

Segundo a organização britânica National Autistic Society (NAS), por exemplo, estudantes autistas têm no Reino Unido chance três vezes maior de serem suspensos ou expulsos da escola do que alunos sem necessidades especiais.

“A razão mais comum apresentada por chefes das equipes pedagógicas é ‘agressão física contra um adulto’. No entanto, o comportamento disruptivo pode ser uma manifestação do autismo do aluno. Suspender ou expulsar um estudante por comportamentos relacionados a esta condição pode contribuir para a discriminação, a não ser que isto [a suspensão] possa ser justificado”, diz a organização em seu site.

Antes de uma medida drástica como esta, a NAS recomenda que escolas consultem e busquem apoio de órgãos locais e de outros profissionais. Capacitação e a a formação de equipes multidisciplinares também são princípios fundamentais neste tipo de trabalho.

Uma reportagem de 2017 da BBC News Brasil mostrou que, também no Brasil, há obstáculos para alunos com necessidades especiais já antes da matrícula. Apesar de uma lei federal brasileira garantir o acesso de autistas à educação e ao ensino profissionalizante em escolas regulares e prever punição a gestores que negarem suas matrículas, este impedimento ainda foi relatado por famílias após a entrada em vigor da legislação.

Já no cotidiano escolar, a educadora e especialista em inclusão Maria da Paz de Castro nota que a melhor forma de acolher estes alunos é buscar conhecê-los – ou “girar com eles”.

“A única regra é conhecer a criança, deixar ela se apresentar a você, porque não interessa o que ela tem, mas quem ela é. É importante que as outras crianças aprendam a conviver e conversem entre si. E às vezes elas perguntam: ‘Por que ele (colega autista) não fala? Por que ele gira?’ E eu respondo: ‘Não sei, ele ainda não fala do jeito que você fala, mas pergunta para ele, gire um pouco com ele'”, afirmou à reportagem.

O autismo faz parte de um grupo maior de doenças conhecido como transtorno do espectro autista (TEA). Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 1 a cada 160 crianças têm algum TEA.

Estes transtornos começam na infância – sobretudo nos primeiros cinco anos de vida – e tendem a persistir na vida adulta. Os sintomas variam bastante, mas costumam se manifestar no comportamento e na comunicação. Ainda que algumas pessoas consigam viver de forma independente, muitos precisam de suporte ao longo de toda a vida.

 

*Fonte: BBC

Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ciência e Tecnologia

Mulher dá à luz gêmeos, e homem descobre que é pai biológico de apenas um

Avatar

Publicado

em

Por

Uma história que aconteceu na China intrigou os internautas do mundo todo, nesta última sexta-feira (15/05). O motivo é que um homem chinês, que não teve a identidade divulgada, descobriu que é pai biológico de apenas um dos seus filhos gêmeos. A outra criança é fruto de um relacionamento da esposa com um amante.

Para falar sobre o assunto, a revista China News Weekly contatou Deng Yajun, diretor do Centro de Identificação Forense Beijing Zhongzheng, que foi responsável pela realização do teste de DNA dos bebês. Deng explicou que o caso é raríssimo: as chances de acontecer são de uma em 10 milhões.

“Primeiro, a mãe tem que produzir dois óvulos no mesmo mês, para ter os gêmeos bivitelinos (não idênticos). Depois, ela precisa ter relações sexuais com dois homens em um espaço de tempo muito curto, para que isso seja possível. Os resultados mostraram que os gêmeos têm a mesma mãe, mas não o mesmo pai”, explicou o especialista.

Fonte: Metrópoles https://bit.ly/2LDn2er

 

Continue lendo

Mundo

Homem morre após ser picado por vespa asiática “assassina”

Avatar

Publicado

em

Por

Um homem de 54 anos morreu, no noroeste da Espanha, após ser picado por uma vespa asiática “assassina”. O ataque aconteceu em Villestro, na Galiza, enquanto o homem cuidava de uma colmeia. Ele foi ferido na sobrancelha. São informações do New York Post.

O homem era apicultor e foi encontrado caído por um amigo. O serviço de emergência foi chamado, mas quando o socorro chegou, ele já estava sem vida.

O inseto foi visto pela primeira vez no ano passado nos Estados Unidos e tem uma picada que pode ser, em alguns casos, letal aos seres humanos.

Ao jornal The New York Times, um apicultor de Washington relatou que encontrou milhares de abelhas com a cabeça arrancada dos corpos. A princípio, ele não entendeu o que tinha acontecido. Mas depois disse suspeitar da mais recente visitante: a vespa asiática.

Os cientistas ainda não sabem como ou por onde a vespa chegou pela primeira vez na América do Norte.

Os insetos, contudo, são frequentemente transportados em cargas internacionais e, às vezes, transportados deliberadamente.

Fonte: Metrópoles

Continue lendo

Cultura e Entretenimento

O comediante Jerry Stiller, pai de George em “Seinfeld”, morre aos 92 anos

Avatar

Publicado

em

Por

O ator e comediante Jerry Stiller, que interpretou Frank Constanza na série “Seinfeld”, morreu “de causas naturais” aos 92 anos, anunciou hoje, nas redes sociais, o seu filho e também ator Ben Stiller.

Na década de 1960, Jerry Stiller e a mulher, Anne Meara, alcançaram sucesso como uma dupla cómica. Trinta anos depois, nos anos 1990, o ator voltou a conhecer o sucesso em comédia com o papel de Frank, o pai de George Costanza na série “Seinfeld”,

Enquanto ator, Jerry Stiller participou em sucessos da Broadway, como “The Ritz”, em 1975, de Terrence McNally, e “Hurlyburly” de David Rabe em 1984.

Fora da Broadway, participou na “Ópera dos Três Vinténs”, interpretou palhaços shakespearianos para Joseph Papp, e no ecrã interpretou, entre outros papéis, um detetive da polícia em “Alta Tensão em Nova Iorque” (1974) e o marido de Divine em “Laca” de John Waters (1988).

No entanto, Jerry Stiller era mais conhecido como comediante e foi na televisão que atingiu o estrelato como Frank Costanza, o irascível pai de George, na série da NBC “Seinfeld”, uma das comédias televisivas de maior sucesso de todos os tempos.

Jerry Stiller entrou em menos de 30 dos 180 episódios de “Seinfeld”, cujas nove temporadas tiveram início em 1989, e só apareceu pela primeira vez na quinta temporada.

Apenas alguns meses após o episódio final de “Seinfeld”, transmitido em 14 de maio de 1998, Stiller regressou à televisão para interpretar outro pai noutra sitcom, “O Rei das Rainhas”, que se estreou na CBS.

Jerry Stiller e Anne Meara conheceram-se em 1953, quando ambos eram atores em dificuldades, e casaram pouco depois.

Em 1959, trabalharam juntos com os Compass Players, um grupo de teatro de improviso que mais tarde evoluiu para Second City. Começaram a atuar como uma dupla em clubes noturnos nova-iorquinos, em 1961, e rapidamente fizeram a primeira de cerca de três dúzias de apresentações no programa “The Ed Sullivan Show”.

Com informações: DNotícias.Pt https://bit.ly/2WPmmb7

Continue lendo
Propaganda
Propaganda
Propaganda

Mais Lidas

Copyright © 2020 Portal do Minuto. Todos Direitos Reservados. Portal - Manaus