Conecte-se conosco

Destaque

Estados e municípios são os que mais contribuem para sustentar SUS, diz pesquisa

Avatar

Publicado

em

estados e municípios

Entre 2002 e 2015, o governo federal foi a esfera de gestão que mais utilizou recursos do Sistema Único de Saúde (SUS), seguido pela esfera municipal.

Apesar disso, foram as prefeituras e os governos estaduais que mais contribuíram para sustentar a estrutura, com uma participação que foi sendo gradualmente ampliada ao longo desse período.

As conclusões são de pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e do Ministério da Saúde, que lançaram, hoje (20), a publicação Contas do SUS na Perspectiva da Contabilidade Internacional, durante o 1º Simpósio de Economia da Saúde.

De acordo com o estudo, a União começou garantindo 52% das verbas destinadas à rede pública de saúde, cota que seguiu em curva decrescente até atingir 43% em 2015.

No intervalo analisado, as despesas por habitante cresceram 3,5 vezes no nível federal, 4,9 vezes no nível estadual e 5 vezes no plano municipal. Os valores despendidos com ações e serviços públicos de saúde passaram, de 2002 para 2015, de R$ 24,73 bilhões para R$ 100 bilhões no âmbito federal; de R$ 10,75 bilhões para R$ 60,56 bilhões, no estadial; e de R$ 12,05 bilhões para R$ 72,11 no municipal.

Englobando as três esferas, os gastos com saúde somaram R$ 232 bilhões em 2015, totalizando 3,94% do Produto Interno Bruto (PIB), proporção que, em 2002, era 3,21%.

Mudanças 

Para Angélica Borges, uma das autoras do levantamento, por meio do estudo, notou-se que o protagonismo de entes municipais e estaduais tem promovido mudanças no cenário de saúde do país, como o aumento dos pontos de Ambulatório Médico de Especialidades (Ames).

“Os municípios estão, na verdade, cobrindo uma necessidade percebida, que é [ter] mais especialidade, que é [uma carência] real”, disse Angélica.

A descoberta, segundo a pesquisadora, foi surpreendente. “Fui ver e encontrei São Paulo, com bilhões de reais em Ames, outras prefeituras também, para atender a uma demanda do cidadão, que não tem aonde ir para consultar com oftalmologista, ir à ortopedia, essas coisas que são do dia a dia e a que ele não tem acesso. Nesse período, o município começou a bancar isso também. Essa leitura da necessidade do cidadão o município tem melhor, talvez, do que o governo federal.”

Avaliando o desempenho das prefeituras como “muito boa”, a pesquisadora disse que a decisão de tomar as rédeas da gestão de algumas unidades tem sido uma resposta à crise do país, de cortes orçamentários e medidas tomadas pelo governo Michel Temer.

“Agora a gente tem um problema, porque [o governo federal] deu muito suporte a estados – alguns mais, outros menos – e a gente está tendo uma retração de financiamento que não sei como os municípios vão conseguir dar conta. É o que os secretários falam: o cidadão bate na porta do secretário municipal, não do ministro da Saúde”, frisou.

Objetivo

Angélica disse que a ideia da pesquisa é propiciar o monitoramento das contas públicas à sociedade civil, que poderá conferir o balanço do período 2015-2018 no final do ano que vem. Esta é a primeira vez que equipes se concentram em colher dados de diversas fontes e reuni-los sob uma forma mais simples e inteligível.

No início de 2020 deverá ser lançado um relatório que aborda os gastos em saúde suplementar, que abrange planos particulares de saúde, expondo valores de 2016 e 2017, e outra que revelará o quanto, na prática, o brasileiro desembolsa em troca de atendimentos.

A pesquisadora elogiou o SUS, admitindo que ela mesma, como médica, reprovou o projeto, criado pela Constituição Federal de 1988, e acabou mudando de opinião.

“Quando o SUS começou, eu era supercrítica, mas, com o tempo, eu fui me rendendo. A gente mudou a lógica de país com o SUS. As pessoas têm que se dar conta disso, preservar isso. Criou-se um sentimento de solidariedade.”

*Fonte: Agência Brasil

Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Amazonas

Vereador Capitão Carpê propõem ao prefeito de Manaus a criação da primeira Base Municipal de Valorização à Vida, na ponte sobre o Rio Negro

Avatar

Publicado

em

Por

Foto: Ítalo Sena

Na sessão plenária desta terça-feira (04), na Câmara Municipal de Manaus (CMM), o vereador Capitão Carpê Andrade (Republicanos), propôs ao prefeito de Manaus, David Almeida, por meio de indicação a criação do Núcleo de Atendimento Clínico a Pessoas em Risco de Suicídio e de Valorização à Vida no âmbito municipal, na ponte sobre o Rio Negro.

No documento, a proposta é que o núcleo seja parte integrada da Secretária da Mulher, Assistência Social e Cidadania (SEMASC), sendo dispostos profissionais qualificados que farão atendimentos diário sendo importante serviço de apoio relacionado às necessidades de saúde mental, oferecendo acolhimento psicossocial, rondas diárias com apoio da Polícia Militar e entrega de cartilhas com informativos.

“Quando eu trabalhava na 8º Cicom, atendia de três a quatro ocorrências de tentativa de suicídio por semana na ponte sobre o Rio Negro. Nada, absolutamente nada foi feito para solucionar ou prevenir que pessoas tirassem suas vidas nesse local”, afirmou o vereador.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, 9 em cada 10 casos poderiam ser prevenidos. Para ajudar nessa prevenção é necessário a pessoa buscar ajuda e atenção de quem está à sua volta.

Em 2019, 124 pessoas se suicidaram no Amazonas e, no primeiro semestre de 2020, o número de suicídios no estado passou de 60, de acordo com dados da Secretaria de Segurança Pública do Estado (SSP/AM). Fontes não oficiais registraram desde a sua inauguração, em 2012, mais de 50 suicídios, na ponte sobre o Rio Negro.

“Todas as indicações que apresentei para buscar atendimentos integrados não foram atendidas. Até as câmeras de vigilância eletrônica foram retiradas.

Estou hoje como vereador, sendo voz da sociedade solicitando mais uma vez que seja instalada uma Base Municipal de Valorização à Vida, na ponte. Quem comete suicídio, não quer morrer”, concluiu o capitão Carpê.

Informações Assessoria

Foto: Ítalo Sena

Continue lendo

Destaque

Comissão de Segurança Pública Municipal se reúne para discutir problemáticas da cidade

Avatar

Publicado

em

Por

Foto: Ítalo Sena

A Comissão de Segurança Pública Municipal (COMSEGPM), da Câmara Municipal de Manaus (CMM), se reuniu pela primeira vez nesta sexta-feira (30) e definiu as primeiras ações que serão realizadas pela comissão.

A reunião foi conduzida pelo vereador Capitão Carpê Andrade (Republicanos), presidente da Comissão e contou com a participação dos vereadores João Carlos (Republicanos) e Lissandro Breval (Avante).

Um dos pontos abordados para esse primeiro momento é a restruturação da Guarda-Municipal para alinhar estatuto, reajuste salarial, armamento e concurso público. Para o Presidente da Comissão a segurança pública reflete em todas as esferas no âmbito municipal e estadual.“Se faz necessário essa parceria para trabalhar em prol da sociedade. Vamos mudar a “cara” da nossa guarda-municipal valorizando essa categoria com a restruturação e um novo concurso”, afirmou o vereador.

Também foi destaque durante a reunião assuntos voltados para as comunidades como prevenção e elaboração de projetos voltados a sociedade, solicitando reforma de quadras esportivas que estão abonadonas e tornando-se pontos para usuários de drogas. O objetivo da Comissão é trabalhar em conjunto com outros órgãos elaborando palestras, campanhas educativas e prevenção à violência e estreitando laços com sociedade.

Foi definido ainda durante a reunião, a realização de Audiências Públicas, para apresentar as propostas e ações oficialmente as comunidades, onde serão convidados órgãos públicos e lideranças comunitárias.

“Faremos a diferença, uma história através desta comissão”, finalizou o vereador.

Informações assessoria de comunicação

Continue lendo

Amazonas

Chacina termina com quatro mortos e um ferido em Itacoatiara

Avatar

Publicado

em

Por

Na manhã desta quinta-feira (28), o Instituto Médico Legal (IML) foi acionado para remover quatro corpos de uma estrada de barro no Município de Itacoatiara, a 269 km de Manaus.

De acordo com informações da Polícia Militar do Amazonas, os corpos estavam em um sítio localizado no km 2 do Ramal da Sudam, que fica no Km 37 da AM -010.

Todos os corpos foram encontrados amarrados e esquartejados. Tudo leva a crer que as vítimas foram torturadas antes de serem mortas a tiros, e depois tiveram os seus corpos mutilados com terçados.

A Polícia Militar e a Delegacia Interativa de Itacoatiara estão apurando o caso, considerado como chacina. A vítima ferida foi encaminhada ao Hospital José Mendes, localizado na avenida Sete de Setembro de Itacoatiara.

Populares contam que uma das vítimas, conhecida como Alexandre, teve a cabeça decapitada. O Instituto Médico Legal (IML), realizou a remoção dos corpos e relatam que a causa da morte foram disparos de arma de fogo e golpes de arma branca.

Continue lendo

Facebook

Propaganda
Propaganda
Propaganda

Mais Lidas

Copyright © 2021 Portal do Minuto. Todos Direitos Reservados. Portal - Manaus