Conecte-se conosco

Pesquisa e Inovação

Estudo revela que vício em tirar selfies é um distúrbio mental genuíno

Avatar

Publicado

em

Selfies

O britânico Junaid Ahmed tem 50 mil seguidores no Instagram e admite que é viciado em selfies. O jovem de 22 anos tira cerca de 200 autorretratos por dia. Ele calcula cuidadosamente quando publicará cada foto nas redes sociais para que ela tenha o maior número possível de curtidas. E, se tiver menos de 600, ele apaga.

“Quando eu posto uma foto, em um ou dois minutos eu provavelmente já vou ter 100 pessoas que curtiram. Meu telefone vai à loucura, é simplesmente incrível”.

Um estudo recente sugeriu que a obsessão por selfies é um distúrbio mental genuíno, batizado de selfitis.

O desejo de tirar selfies e publicá-las nas redes sociais mais de seis vezes por dia é uma selfitis crônica, segundo pesquisadores da Universidade de Nottingham Trent, na Inglaterra, e da Thiagarajar School of Management, na Índia.

E Junaid admite que seus suas selfies causam atritos com seus familiares. “Eles dizem, ‘você consegue fazer uma refeição sem tirar uma foto?”

“E eu respondo ‘não, não me preparei por três horas sem motivo’. Por que eu não tiraria uma foto?”

Junaid diz que os comentários negativos sob suas fotos já não o afetam como antes – mas admite ter transformado seu rosto por causa da pressão social.

“Anos atrás, eu não tinha essa aparência. Eu costumava ser bastante natural. Mas eu tinha uma obsessão com as redes sociais… Eu queria fazer um upgrade. Então fiz um folheamento dentário, preenchimento de queixo, preenchimento de bochecha, preenchimento de mandíbula, preenchimento de lábios, botox sob os olhos e na cabeça, sobrancelhas tatuadas e congelamento de gordura (criolipólise)”.

Junaid diz que percebe quão negativas podem ser as redes sociais.

“O que você vê nas redes sociais não é a verdade”, diz ele. “A rede social é divertida, se você usá-la do jeito certo. Mas não deixe que isso afete sua vida porque você passa a querer ser o que outra pessoa é no Instagram. Não vale a pena”.

Danny Bowman

Danny Bowman, de 23 anos, era obcecado por postar selfies nas redes sociais na adolescência.

“Eu queria me integrar e pensei que a melhor maneira de fazer isso seria tendo uma boa aparência”, diz ele.

Ele tirava selfies e ficava sempre atrás de defeitos nas fotos, algo que sempre encontrava. O processo se tornou um “ciclo vicioso”.

“Dando voltas e mais voltas, passava dez horas por dia na frente do espelho tirando fotos, dia após dia”.

Quando tinha 16 anos, Danny tentou se matar.

Ele foi para um centro de reabilitação, onde ele foi diagnosticado com transtorno dismórfico corporal, e os médicos acreditam que as redes sociais desempenharam um papel importante para isso.

Danny agora cursa a universidade e ajuda outros jovens com problemas de saúde mental.

“Eu lembro de deitar na minha cama e pensar ‘como eu vou sair disso?’ Sentia como se não houvesse saída. As fotos que eu publico no Instagram agora não são selfies, são imagens minhas falando com pessoas ou dando palestras.”

“Isso é muito mais gratificante para mim do que publicar selfies e esperar que eu receba muitas curtidas”.

No Reino Unido, a Sociedade Real para a Saúde Pública (RSPH, na sigla em inglês) pede ao governo britânico e às plataformas de redes sociais que instalem alertas pop-up em celulares, a serem ativados para pessoas que ficassem online por mais de duas horas. A proposta se segue a pesquisas e a manifestações de entidades de defesa infantil que argumentam que as redes sociais trazem malefícios aos jovens.

Em janeiro, mais de cem especialistas e organizações internacionais em saúde infantil pediram ao Facebook que extinguisse seu aplicativo de mensagens voltado a crianças com menos de 13 anos, o Messenger Kids, alegando ser “irresponsável” almejar estimular as crianças pequenas a usar a rede social.

“Sete em cada dez adolescentes nos disseram que receberam apoio (de pessoas) nas redes sociais em tempos difíceis”, diz Shirley Cramer, presidente-executivo da RSPH. “Mas também sabemos que a depressão e a ansiedade são alimentadas pelas redes sociais”.

*Informações da fonte: Portal G1

Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque

Estudo estima que Manaus será primeira cidade brasileira a ‘vencer’ novo coronavírus

Avatar

Publicado

em

Por

A décima edição do boletim do projeto Atlas ODS Amazonas, do Centro de Ciências do Ambiente da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), prevê que Manaus será a primeira cidade do Brasil a “vencer” o novo coronavírus. De acordo com o estudo, a transição para uma última fase da pandemia está acontecendo mais cedo na capital do Amazonas do que em outros epicentros do país, pois os dados projetam uma redução drástica na velocidade de mortes na cidade, após população passar por interação massiva com a Covid-19.

Em Manaus, o sistema público de saúde entrou em colapso entre os meses de abril e maio por conta do alto número de doentes infectados com a Covid-19. A capital amazonense, que está entre as seis do País com mais de mil mortos pela doença, chegou a enterrar caixões empilhados por conta da grande quantidade de mortes, que atingiu uma média histórica no mês de abril. Naquele mês, caixões do maior cemitério público de Manaus passaram a ser enterrados em valas comuns, medida que continua sendo aplicada enquanto o comportante da Covid-19 é observado.

O coordenador do projeto Atlas ODS Amazonas, professor Henrique dos Santos Pereira, explicou em coletiva de imprensa online, nesta quinta-feira (11), que os pesquisadores observaram que a redução na velocidade de mortes na cidade aconteceu de maneira mais rápida por Manaus já ter apresentado elevadas taxas de mortalidade e letalidade. Isto, segundo o estudo, resultou na diminuição da velocidade de óbitos mais rápida e precoce do que a de casos.

O fenômeno de diminuição da velocidade de mortes em Manaus se deu devido à um processo chamado de “trade-off” de transmissão do vírus. O processo aconteceu devido a interação massiva da população hospedeira com a Covid-19, de acordo com o levantamento feito na décima edição do Atlas ODS.

Para a última fase da pandemia, que Manaus está próxima de viver, segundo o professor Henrique dos Santos Pereira, a estimativa é de que haja uma redução lenta na velocidade de casos do novo coronavírus, enquanto a mortalidade deverá ter uma redução drástica e chegar a quase zero.

Matéria completa: G1 Amazonas https://glo.bo/3hjrH3I

Continue lendo

Artigos

Eu tinha um cachorro preto chamado Depressão

Avatar

Publicado

em

Por

“Eu tinha um cachorro preto chamado depressão” é um curta educacional feito pela Organização Mundial da Saúde que visa nos ajudar a entender o que a depressão realmente significa para as pessoas que sofrem com isso.

Devemos enfatizar neste ponto que a depressão não é uma escolha e, portanto, devemos trabalhar para evitar os rótulos e o estigma que a acompanha. Precisamente para este propósito o vídeo foi publicado com o qual ilustramos este artigo.

“Depressão e ansiedade não são sinônimo de fraqueza. Nem são o resultado de uma escolha pessoal, não podemos decidir se queremos ou não estar conosco.”

“Eu tive um cachorro preto chamado depressão” é uma curta que tem sido em todo o mundo desde há alguns anos preenchida na rede. Desde então, psiquiatras, psicólogos psicanalistas e outras pessoas a serviço da saúde mental têm usado esse vídeo como forma de ilustrar e representar a depressão.

No entanto, antes de ver o vídeo, notamos que a metáfora de usar a imagem do cão preto como a depressão volta para a expressão que Winston Churchill usou para descrever sua melancolia. Este poderoso político britânico que lutou contra o nazismo disse que com frequência se via preso numa depressão, uma fera que sempre o acompanhava e que o possuía durante os últimos anos de sua vida. Um cão cujos uivos tristes atormentam a mente do ouvinte, submetendo sua vida à angústia, à aflição e à apatia.

A depressão atinge mais de 300 milhões de pessoas de todas as idades no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, a estimativa é que 5,8% da população seja afetada pela doença. Manaus é a nona entre as capitais do País em casos de suicídio, e pasmem, a grande maioria são homens e não mulheres, segundo dados apresentados pelo presidente da Associação Amazonense de Psiquiatria (AAP), Cleber Naief, durante um simpósio “Setembro Amarelo: Campanha Nacional de Prevenção ao Suicídio”, realizado na terça-feira, 13 de setembro no ano passado, no auditório Belarmino Lins, da Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM). Os indicadores apontam, ainda, que a maior parte das causas está relacionada a transtornos de humor, principalmente depressão e bipolaridade, e aqueles associados ao uso de drogas lícitas e ilícitas.

Ao todo, segundo dados da AAP, 96% das pessoas que cometeram suicídio sofriam de algum transtorno mental, sendo os principais os transtornos de humor (35%), como depressão e bipolaridade; transtornos por uso de álcool e outras drogas (22%); transtornos de personalidade (11,6%), como psicopatias e síndrome de borderline; e esquizofrenia (10%).

Segundo o levantamento apresentado pelo psiquiatra Cleber Naief, no Brasil a capital com maior índice de mortalidade por suicídio é a de Boa Vista, Roraima, com muitos registros entre indígenas. É também maior o número de casos entre os homens. Em Manaus, há em média oito suicídios a cada 100 mil homens e dois a cada 100 mil mulheres. Os números são considerados defasados pela AAP em razão da sub notificação de casos.

Às vezes a cabeça dá uma “pifada”… E tudo bem!

Nosso cérebro é composto de neurotransmissores responsáveis por garantir uma sensação de bem-estar. Os neurotransmissores são moléculas que fazem a comunicação entre os neurônios. Um deles, a serotonina, está diretamente relacionado ao humor.

Vamos ver o vídeo:

https://youtu.be/lE6IsotUruY

Elias Moura é Psicanalista e Teólogo.

Continue lendo

Brasil

Especialistas discutem sobre os apelos excessivos da publicidade infantil

Avatar

Publicado

em

Por

As crianças, de um modo geral, têm um alto poder de absorção de qualquer tipo de conteúdo. Por exemplo, toda Páscoa, chovem propagandas sobre chocolates entre outros itens. O resultado é o consumo exagerado de doces que só pioram a saúde dos pequenos.

Por meio de diversas técnicas, as marcas conseguem exercer um poder de influência muito grande em cima das crianças para que possam incentivar os pais a comprarem brinquedos e guloseimas. Mas quais são efeitos negativos e como lidar com os desejos causados pela publicidade?

Para a psicóloga Livia Marques, as propagandas abusivas acarretam grandes influências negativas nas crianças. Ela diz que o efeito disso surge de uma forma muito ruim na mente delas, fazendo com que fiquem inflexíveis ao não e a qualquer argumento. “Tanto na TV como na internet, o conteúdo massivo pode causar uma fixação muito grande na mente delas”.

Livia fala que os sinais de que algo está errado com o desejo de ter um brinquedo ou de lanchar é refletido geralmente no comportamento agressivo e inflexível ao pedir aos pais. “Há casos que a criança não aceita de forma alguma o limite que é imposto”.

Para Dario Perez, professor acadêmico e especialista em publicidade e marketing, o problema está no fato de que muitas empresas acabam “perdendo a mão” em suas ações publicitárias e comentem alguns excessos. Ele comenta que o público infantil é extremamente sensível a qualquer tipo de técnica de marketing que possa ser utilizado dentro dos parâmetros de um comercial de TV ou na internet, por exemplo.

– As crianças absorvem com muita facilidade todos os tipos de influências direcionadas. Mesmo as campanhas, que não possuem um bom comercial ou técnica apurada de publicidade, conseguem converter a venda, utilizando-se de uma comunicação lúdica e aspiracional, aproveitando personagens para gerar empatia e elevar sua credibilidade – explica.

Dario diz ainda que um dos objetivos da publicidade é gerar, por meio da influência, a sensação de felicidade através do consumo. Dessa forma, as crianças falam para os pais sobre a necessidade de ter tal produto. Eles, por sua vez, acabam satisfazendo o desejo para a alegria dos filhos.

Como lidar

A psicóloga Livia diz que a melhor forma de proteger a família é por meio do diálogo. Ela comenta que é importante os pais saberem dizer não, mesmo quando é muito difícil. Por outro lado, é preciso mostrar o porquê do não, talvez pela falta de condições financeiras, se a criança já tem muitos brinquedos e ganhou algum recentemente ou até explicando que determinado lanche ou doce pode fazer mal se comer muito dele.

– A conversa é fundamental. A criança também precisa saber para compreender e respeitar. Os responsáveis precisam entender também que a permissividade não pode ter espaço nessas lacunas – reforça.

Regulamentação

Para o especialista em marketing e publicidade, a regulamentação da publicidade infantil ainda é muito delicada no Brasil. Segundo o profissional, existe um projeto de lei mais rigoroso e voltado para a proteção da criança durante a exposição de alguma marca. Porém, ainda não foi aprovado. “Enquanto isso, observamos alguns efeitos colaterais, como, por exemplo, o alto índice de consumo de alimentos ditos como não saudáveis”.

– Segundo o Ministério da Saúde, uma em cada três crianças no Brasil estão com sobrepeso. Além disso, o segmento de brinquedos para crianças só cresce, segundo os dados da Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos (Abrinq). Claramente isso são reflexos do poder persuasão – destaca.

Dario diz que para que as marcas respeitem a ética, é preciso, primeiro, assumir sua responsabilidade no processo de influência das crianças.  Segundo, é fundamental que as empresas sejam claras. Ou seja, elas devem encarar do ponto de vista educacional, mostrando os benefícios e os malefícios desses produtos. “Não quer dizer que é preciso fazer uma campanha socioeducativa. E, sim, ser mais transparente”.

– Por exemplo, pode avisar que a criança não deve beber determinada bebida todo dia, pois pode fazer mal para a saúde. Isso vai mostrar que aquele produto em alto consumo pode gerar efeitos negativos – comenta.

Continue lendo

Facebook

Propaganda
Propaganda
Propaganda

Mais Lidas

Copyright © 2020 Portal do Minuto. Todos Direitos Reservados. Portal - Manaus