Conecte-se conosco

Manaus

Garçom é baleado e morre em hospital de Manaus, duas semanas depois de morte de irmão

Avatar

Publicado

em

HPS 28 de Agosto

Um garçom de 22 anos morreu no início da madrugada desta quarta-feira (26), após ser baleado na Rua Doze de Dezembro, bairro Compensa II, na Zona Oeste de Manaus. Para a polícia, familiares da vítima contaram que o irmão dele foi assassinado há duas semanas no mesmo bairro.

O crime ocorreu por volta das 22h30 em um beco na Rua Doze de Dezembro. De acordo com a polícia, criminosos armados invadiram o beco que a vítima morava e atiraram contra o homem que foi baleado em frente da própria casa.

Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque

Vulgo ‘Pequena e perigosa’ é presa após realizar assalto e apanhar da população

Avatar

Publicado

em

Por

Na tarde de quarta-feira (14), um casal do crime terminou detido após realizarem diversos assaltos pela zona Norte. A dupla foi identificada como Andrey Rodrigues Neves, 20, e a menor de idade, B.V.S. da S., 15 anos.

Segundo informações de uma das vítimas identificada, o homem estava caminhando pela rua Simão Pina, no bairro já mencionado acima de mãos dadas com a menor de idade.  Assim que notou aproximação da vitima em sua moto, empurrou a adolescente para frente da motocicleta, forçando sua parada.

Ainda segundo a vítima, Andrey, apontou uma arma em sua direção, que sem pensar duas vezes entregou a chave para o homem. Mas o que chamou atenção da mulher foi a menina de 15 anos ter sido deixada para trás por seu companheiro.

Porém o crime não saiu como o planejado, o homem foi perseguido e preso, já a menor, levou uma surra e terminou detida.

 

Continue lendo

Amazonas

Morre aos 51 anos Klinger Araújo, vítima das complicações da Covid-19

Avatar

Publicado

em

Por

Foto: Divulgação

Na manhã desta terça-feira (29), o levantador de toadas Klinger Araújo, morreu vítima do novo coronavírus, conforme informações de familiares. Klinger morreu aos 51 anos.

Internado desde o dia 11 de setembro na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da Samel Prontocord, localizado na avenida Álvaro Maia, bairro Adrianópolis, zona centro-sul de Manaus.

O cantor estava com 75% do pulmão comprometido devido as complicações causadas pela Covid-19.

História

Natural de Parintins, Klinger Araújo veio morar em Manaus com 19 anos de idade. Ele foi radialista em veículos de comunicação como Rádio Difusora do Amazonas, Novidade FM e Amazonas FM. Além disso, também foi locutor na TV Amazonas.

Klinger Araújo foi um dos primeiros cantores de boi-bumbá na década de 1990 em Manaus, ele ficou reconhecido por toadas como ‘Repeneirando’ e ‘Bumba Bumbum Bumbá’.
Consequentemente, ganhou notoriedade nacional após participar de programas como Ratinho, Raul Gil e Planeta Xuxa.

Fonte: Portal Tucuma

Continue lendo

Destaque

Covid-19: Estudo sugere que Manaus atingiu imunidade de rebanho

Avatar

Publicado

em

Aglomeração em bares de Manaus tem sido alvo de fiscalização. - Foto: Patrick Marques/G1 AM

Estudo divulgado na segunda-feira (21) na plataforma medRxiv aponta que quando a cidade de Manaus (AM) vivenciou o pico da epidemia de covid-19, em meados de maio, aproximadamente 46% da população local já havia contraído o SARS-CoV-2. Um mês depois, o percentual de infectados teria atingido 65% e, nos dois meses seguintes, teria se estabilizado em torno de 66%.

Na avaliação dos autores, essa taxa de infecção “excepcionalmente alta” sugere que a imunidade de rebanho pode ter contribuído significativamente para determinar o tamanho final da epidemia na capital amazonense.

“Ao que tudo indica, a própria exposição ao vírus levou à queda no número de novos casos e de óbitos em Manaus. No entanto, nossos resultados indicam uma soroprevalência bem mais alta do que a estimada em estudos anteriores, diz Ester Sabino, professora da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FM-USP) e coordenadora da pesquisa – conduzida com apoio da FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo).

As conclusões apresentadas no artigo – ainda sem revisão por pares – baseiam-se em uma combinação de modelagem matemática e análises sorológicas feitas em amostras de sangue doado à Fundação Hospitalar de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas (Hemoam) entre os meses de fevereiro e agosto.

“Selecionamos amostras de mil doadores em cada mês e analisamos a presença de anticorpos contra o SARS-CoV-2. Em seguida, fizemos uma série de correções nos resultados por meio de modelagem matemática”, conta à Agência FAPESP o primeiro autor do estudo, Lewis Buss, mestrando no Instituto de Medicina Tropical e no Departamento de Medicina Preventiva da FM-USP.

Esse tipo de análise está sujeito a uma série de vieses que precisam ser compensados, explica Buss. Um deles é o fato de os doadores de sangue serem, de modo geral, mais jovens e saudáveis (assintomáticos) do que a média da população. Além disso, no caso específico de Manaus, há também uma representatividade maior do sexo masculino.

Outro ponto considerado pelos pesquisadores foi a sensibilidade do teste sorológico usado, estimada em 85% para indivíduos assintomáticos ou com doença leve (a taxa de falso negativo, portanto, pode chegar a 15%). O ajuste-chave, porém, foi o que buscou corrigir o declínio natural da soroprevalência contra o SARS-CoV-2 – algo que tem sido observado em inquéritos sorológicos feitos em diversos países.

“Algo que ficou evidente em nosso estudo – e que também está sendo mostrado por outros grupos – é que os anticorpos contra o SARS-CoV-2 decaem rapidamente, poucos meses após a infecção. Isso está claramente ocorrendo em Manaus, o que mostra a importância de fazer medidas seriadas para entender a evolução da doença”, afirma Buss.

A soroprevalência bruta encontrada na pesquisa, ou seja, sem qualquer tipo de correção, variou de 0,7% em março, para 5,5% em abril, 39,9% em maio, 46,3% em junho, 36,5% em julho e 27,5% em agosto. Com os ajustes do modelo matemático, porém, os números estimados foram respectivamente: 0,7%, 5%, 45,9%, 64,8%, 66,1% e, novamente, 66,1%.

Estratégia semelhante foi adotada para o município de São Paulo, onde os pesquisadores analisaram amostras de sangue doado na Fundação Pró-Sangue entre fevereiro e agosto. Também nesse caso foram selecionadas mil amostras por mês e, além disso, foi adotado um critério de cotas geográficas para dar representatividade a moradores de todas as regiões da cidade.

A soroprevalência bruta encontrada na capital paulista variou de 0,9% em março para 3% em abril, 5,3% em maio, 11,9% em junho, 9,6% em julho e 12,1% em agosto. Após os ajustes do modelo os números foram respectivamente: 0,8%, 3,1%, 6,9%, 16,1%, 17,2% e 22,4%.

“As duas cidades têm curvas epidemiológicas muito diferentes e é muito difícil explicar o porquê apenas com base nos dados sorológicos”, diz Buss. “Talvez a informação nova é que a soroprevalência já era alta em Manaus quando os óbitos começaram a cair, o que sugere a contribuição da imunidade coletiva. Em São Paulo, por outro lado, a soroprevalência é bem mais baixa e a curva, mais achatada. É provável, portanto, que outros fatores tenham influenciado a queda no número de novos casos na capital paulista”, avalia.

Sabino destaca que após atingir o pico de óbitos, entre maio e junho, a capital paulista entrou em uma espécie de platô. “Ao contrário do observado em Manaus, por aqui a queda está ocorrendo lentamente e os dados de agosto estão semelhantes aos do começo de abril. Mas hoje vemos muito mais pessoas usando máscaras e, embora o comércio tenha reaberto, a mobilidade ainda está restrita e as escolas permanecem fechadas, bem como os cinemas e teatros. É possível que esses fatores tenham segurado o crescimento da doença por aqui”, diz. “Vale ressaltar que caso a curva fosse semelhante à de Manaus São Paulo teria tido uma mortalidade três vezes maior”, alerta a pesquisadora.

Atualmente, o grupo coordenado por Sabino está conduzindo análises sorológicas com amostras de doadores do Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA), Recife (PE), Fortaleza (CE), Curitiba (PR), Belo Horizonte (MG) e Campo Grande (MS). Os resultados serão divulgados em breve.

“Trabalhar com dados de bancos de sangue nos permite mensurar a soroprevalência de uma determinada doença de forma mais rápida e barata do que os estudos que vão de porta em porta coletando amostras”, diz Sabino.

No entanto, ressalta a pesquisadora, a estratégia tem suas limitações, sendo a principal delas a diferença de perfil entre os doadores de sangue e a população geral da cidade, o que requer cuidados para tornar a amostragem representativa.

“Quando começamos a pesquisa em São Paulo, com o auxílio da FAPESP, uma das primeiras coisas que fizemos foi estudar a geografia dos doadores de sangue para poder estratificar melhor as amostras. Com os recursos da iniciativa Todos Pela Saúde [do Itaú Unibanco] e os kits de sorologia doados pela farmacêutica Abbott, conseguimos expandir as análises para as demais capitais”, conta.

“Ao comparar Manaus e São Paulo vemos curvas epidemiológicas muito diferentes, apesar de as políticas públicas para conter a disseminação da doença terem sido adotadas em datas próximas e o índice de isolamento social não ser radicalmente diferente nos dois lugares. O próximo passo é analisar as curvas das outras cidades para, em seguida, criar modelos que nos permitam entender quais fatores pesaram mais em cada caso”, diz Sabino.

A pesquisa tem sido conduzida no âmbito do Centro Brasil-Reino Unido para Descoberta, Diagnóstico, Genômica e Epidemiologia de Arbovírus (CADDE), financiado por FAPESP, Medical Research Council e Fundo Newton (os dois últimos do Reino Unido).

 

*Por Karina Toledo da Agência Fapesp

Continue lendo

Facebook

Propaganda
Propaganda
Propaganda

Mais Lidas

Copyright © 2020 Portal do Minuto. Todos Direitos Reservados. Portal - Manaus