Conecte-se conosco

Mundo

Japão executa líder e membros de culto religioso por atentado com sarin

Publicado

em

ataque com agente de sarin

Japão executou o líder e membros de um culto responsável pelo ataque com agente sarin no metrô de Tóquio há 23 anos, que deixou 13 mortos e mais de 6 mil pessoas intoxicadas. O líder do grupo Aum Shinrikyo (“Verdade Suprema”, em japonês), Shoko Asahara, foi o primeiro deles.

Aos 63 anos, Chizuo Matsumoto, que adotou o nome Shoko Asahara, iniciou as execuções, anunciou à TV estatal NHK. Os demais 12 membros da seita estavam marcados para serem mortos em seguida.

“Asahara era o cérebro e os outros 12 eram meros braços”, sustenta Taro Takimoto, da direção da Sociedade Japonesa pelo Culto à Prevenção e Recuperação, que foi vítima do ataque em 1995.

O grupo Aum Shinrikyo era um culto religioso violento de ideologia apocalíptica cujos ritos tinham viés religioso sincrético, misturando elementos do cristianismo, budismo e hinduísmo. Seus integrantes defendiam confrontos com o Estado japonês como início do fim da civilização.

Em 20 de março de 1995, os membros usaram guarda-chuvas com pontas afiadas para perfurar sacos cheios de agente sarin em estado líquido em cinco vagões do metrô em horário de pico de Tóquio.

ataque com agente de sarin

Feridos em ataque com agente de sarin no Japão – Foto: Divulgação

O Japão não costuma executar detentos até que todos os réus sejam julgados, o que aconteceu em janeiro deste ano. Em outros casos, os presos foram mantidos por anos no corredor da morte, e foram informados apenas horas antes do enforcamento.

*Fonte: O Globo

Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mundo

Charlie Watts, baterista do Rolling Stones, morre aos 80 anos

Publicado

em

Por

Charlie Watts, baterista do Rolling Stones, morreu aos 80 anos, nesta terça-feira (24). A informação foi confirmada por Bernard Doherty, agente do músico, em comunicado para a imprensa britânica.

“É com imensa tristeza que anunciamos a morte de nosso amado Charlie Watts”, escreveu o agente do músico.

Segundo informações do jornal Daily Mail, Watts morreu no hospital de Londres e estava cercado por sua família.

“Charlie era um querido marido, pai e avô e, também como membro dos Rolling Stones, um dos maiores bateristas de sua geração. Pedimos gentilmente que a privacidade de sua família, membros da banda e amigos próximos seja respeitada neste momento difícil”, pediu Doherty.

Junto com Mick Jagger e Keith Richards, Watts estava entre os membros mais antigos dos Stones, que passou por algumas mudanças em sua formação ao longo dos anos, desde 1962, quando foi criada.

Charlie passou por um procedimento cirúrgico recentemente. Na ocasião, sem detalhar o motivo da cirurgia, seu representante informou que ela foi “completamente bem-sucedida”, mas que o músico ficaria de fora da turnê da banda, prevista para começar em 26 de setembro.

“Com os ensaios começando em algumas semanas, isso é muito decepcionante para dizer o mínimo, mas também é justo afirmar que ninguém previu isso”, afirmou Watts no anúncio feito em agosto.

“Pela primeira vez, meu ritmo tem estado um pouco estranho. Tenho trabalhado duro para estar completamente bem, mas hoje eu devo aceitar os conselhos dos especialistas que isso demorar mais um pouco”, lamentou o músico, que ainda disse não querer que sua recuperação atrasasse a turnê.

“Depois de todo o sofrimento causado pela Covid, eu realmente não quero desapontar os fãs do Stones que já estão com seus ingressos com mais um anúncio de adiamento ou cancelamento. Por isso, pedi para meu grande amigo Steve Jordan para me substituir.”

Em 2004, Watts passou por um tratamento contra o câncer. Na época, Jordan também assumiu o posto do baterista nos shows.

Formado em artes gráficas, Watts começou sua carreira na música tocando bateria nos clubes de R&B, em Londres. Foi lá que conheceu seus companheiros de banda Brian Jones, Mick Jagger e Keith Richards.

Com informações: G1

Continue lendo

Mundo

Veja como o Afeganistão será afetado com o Talibã no poder

Publicado

em

Por

Diante da retirada das tropas americanas, o grupo extremista Talibã conquistou o Afeganistão e assumiu o controle do palácio presidencial do país, instalado na capital Cabul, em menos de um mês de campanha militar. Com isso, moradores temem a volta das práticas medievais e de uma série de proibições que ocorriam na década de 1990, quando o grupo insurgente ocupou o poder pela primeira vez.

Na época, o grupo também impunha aos homens o uso de barba e às mulheres, a burca – vestimenta que cobre todo o corpo, inclusive os cabelos, e apresenta uma estreita tela, à altura dos olhos, através da qual se pode ver. Já há relatos de que os militantes voltaram a cobrar essas regras desde domingo (15/8).

O grupo insurgente determinou que a presença masculina (já que mulheres são proibidas) nas mesquitas às sextas-feiras é obrigatória. O dia é sagrado para o islamismo.

Outro tremor é de que o acesso às mídias sociais e ao celular seja proibido, como em 1990. Durante esse período, ouvir música também não era aceito socialmente. Com o intuito de fiscalizar as ações da população, o grupo criou uma polícia de costumes, que não media esforços para punir os “infratores” com açoitamentos ou assassinatos.

A angústia dos afegãos de retornarem essas regras levou alguns à morte. Vídeos compartilhados nas redes sociais mostram duas pessoas caindo de um avião que deixava a cidade de Cabul, no Afeganistão, nesta segunda-feira (16/8) em uma tentativa de fuga. Ao menos outras três pessoas morreram no tumulto na pista do aeroporto de onde partia o voo após o Talibã tomar o governo do Afeganistão no domingo.
Veja a matéria completa: Metrópoles https://bityli.com/rbCMl
Continue lendo

Mundo

Tumulto faz retirada de americanos do Afeganistão ser interrompida

Publicado

em

Por

Os Estados Unidos interromperam a retirada de americanos de Cabul, capital do Afeganistão, após o tumulto na pista do aeroporto, nesta segunda-feira (16/8). Voos comerciais já haviam sido cancelados e cinco pessoas morreram no local enquanto tentavam fugir do país após o Talibã tomar o governo do Afeganistão no domingo (15/8).

Segundo a Reuters, o governo americano aguarda a retirada da multidão que invadiu as pistas para retomar os voos. O tempo que a pausa vai durar, no entanto, ainda não foi anunciado.

Imagens publicadas nas redes sociais mostram centenas de pessoas tentando embarcar para fugir. Autoridades do aeroporto emitiram um alerta pedindo para que a população não fosse ao local: “Por favor, não venham para o aeroporto”. Ainda não se sabe o que motivou as mortes. A suspeita é que algumas pessoas tenham sido pisoteadas devido às aglomerações.

Veja a matéria completa em: Metrópoles https://bityli.com/zrd1w

Continue lendo

Facebook

Propaganda
Propaganda

Mais Lidas

Copyright © 2021 Portal do Minuto. Todos Direitos Reservados. Portal - Manaus