O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou nesta segunda-feira (14) um aumento de 300% no salário mínimo, que passou de 4,5 mil para 18 mil bolívares. Ele também prometeu que o governo vai arcar com os pagamentos para evitar que esta alta alimente a inflação.

Com este aumento, o salário mínimo subiu US$ 5,22 (cerca de R$ 19) para US$ 20,9 (cerca de R$ 77), segundo a taxa oficial de câmbio, o que mantém os quase 4 milhões de trabalhadores que o recebem em situação de pobreza extrema pela classificação das Nações Unidas.

Maduro fez os anúncios durante seu discurso anual à nação, que aconteceu em frente à Assembleia Nacional Constituinte (ANC), formada apenas por congressistas governistas e não reconhecida por diversos países.

Durante o mesmo discurso, Maduro falou ainda sobre a chegada de novos médicos ao país.

“Nas próximas semanas deve estar chegando um reforço da Alba, de Cuba, com a chegada de 2 mil médicos comunitários que vêm de Cuba, direto do Brasil. De dançar samba a dançar joropo (gênero musical venezuelano)”, disse Maduro, que acrescentou que devem chegar outros 500 médicos especialistas cubanos também. “Convoco as comunidades a fazerem uma grande festa”, disse.

‘Mão de ferro’

Também perante a Constituinte, Maduro criticou a breve detenção do presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, no domingo, o que chamou de “um show midiático”.

O oposicionista foi detido por agentes do serviço de inteligência venezuelana (Sebin) e, segundo sua mulher e parlamentares de seu partido, liberado alguns minutos depois. A ação ocorreu numa rodovia que sai da capital Caracas em direção a La Guaira.

Segundo Maduro, os funcionários (da Sebin) que se prestaram a esse papel são “traidores” e tiveram sua destituição ordenada imediatamente.

“Vou agir contra qualquer funcionário que trai o juramento público. Mão de ferro para a corrupção! Mão de ferro para a traição! Eu não vou tremer com ninguém. Ficaremos mais fortes a cada demonstração”, disse o presidente.

No domingo, o vice-presidente venezuelano, Jorge Rodríguez, já havia dito à TV estatal que os agentes que detiveram Guaidó haviam atuado de maneira “unilateral” e “arbitrária”. Ele disse também que os agentes haviam sido destituídos e submetidos a um processo disciplinar.

*Fonte: G1

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Redação
Carregar mais por Internacional

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Veja Também

Passa de 500 o número de mortos pelo ciclone em Moçambique, Zimbábue e Malawi

O número de mortos na passagem do ciclone Idai subiu para 557 nesta sexta-feira (22), segu…