Conecte-se conosco

Destaque

Maduro é reeleito sob desconfiança internacional e denúncias de fraude nas eleições venezuelanas

Avatar

Publicado

em

Eleições na Venezuela

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, foi reeleito para mais 6 anos de mandato após um dia de votação que teve horário ampliado, denúncias de fraude, tentativa de boicote da oposição e falta de reconhecimento por grande parte da comunidade internacional.

Segundo o Conselho Nacional Eleitoral, Nicolás Maduro venceu a eleição deste domingo (20) com 67,7% dos votos válidos. O chavista obteve 5.823.728 votos, com 96,6% das urnas apuradas até as 23h30.

Em seu discurso da viória, em frente ao Palácio Miraflores, em Caracas, Maduro disse que obteve um ‘recorde histórico’. “Nunca antes um candidato presidencial venceu com 68% dos votos populares e nunca antes havia conseguido 47% do segundo candidato”, afirmou.

Em segundo lugar, ficou o candidato opositor Henri Falcón, com 1.820.552 de votos (21%). Pouco antes do anúncio dos resultados da eleição, Falcón declarou que não reconhecia o processo eleitoral deste domingo e exigiu a convocação de novas eleições.

O pastor evangélico Javier Bertucci obteve 925.042 votos (11%), e ficou em terceiro lugar. Bertucci também contestou a votação e afirmou que fez um balanço da presença do que chamou de “manchas vermelhas” perto das seções eleitorais “que poderiam ter influenciado os resultados”.

O outro candidato, Reinaldo Quijada, obteve 34.614 votos (0,4%).

Diálogo

Ainda em seu discurso de vitória, Maduro convocou os três candidatos derrotados para um diálogo a fim de atender as diferenças e enfrentar a crise do país.

Opositor

Candidato presidencial, pastor Javier Bertucci durante comício na cidade de Valencia, na Venezuela (Foto: Divulgação)

“Henri Falcón, Javier Bertucci (…) todos os líderes da oposição, que nos reunamos, nos encontremos e falemos da Venezuela, convido-os aqui e assumo a responsabilidade deste chamado”, disse Maduro diante de centenas de simpatizantes.

O líder repudiou a posição do candidato opositor Henri Falcón de não reconhecer o pleito.

Eleições e crise

Desde 2013, quando Maduro assumiu o governo, a Venezuela sofreu ondas de protestos violentos, que deixaram cerca de 200 mortos, e uma derrocada socioeconômica.

O cenário de apagões, falta de comida, remédios, transporte e água e hiperinflação, com um salário mínimo que permite a compra de um quilo de leite em pó, provocou uma emigração em massa nos últimos quatro anos.

Adversários de Maduro o acusam de empurrar o país para o abismo com medidas econômicas disparatadas, de submeter o povo à fome e de ser um “ditador”, sustentado por militares.

No entanto, ele diz ser um “presidente democrático” e “vítima” dos Estados Unidos e a “guerra econômica da direita”, à qual culpa pela hiperinflação e falta de comida. E promete prosperidade. “A economia que existe hoje não nos serve porque foi infectada de neoliberalismo”, disse o governante, que alega não ser um “novato” como em 2013.

Apesar da reprovação de 75% dos venezuelanos a sua gestão, Maduro se beneficia dos eleitores leais ao falecido Hugo Chávez (que foi presidente de 1999 a 2013) e da dependência de setores populares de programas sociais e clientelistas.

Boicote da oposição

A coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) se recusou a participar do pleito por considerar o processo uma “fraude” para perpetuar Maduro no poder. Mas o ex-chavista Henri Falcón ignorou a determinação e foi o principal rival do presidente nas urnas.

Os dois maiores rivais de oposição já estavam impedidos de concorrer: Leopoldo Lopez está em prisão domiciliar e Henrique Capriles está impedido de se candidatar a qualquer cargo por um período de 15 anos.

Abstenções

Cerca de 20,5 milhões de eleitores estavam registrados para votar, mas o comparecimento foi de 46% do eleitorado e um total de 8,6 milhões de votos.

Foi uma das porcentagens de participação mais baixa da história venezuelana. Na última eleição presidencial, em 2013, o comparecimento às urnas havia chegado a 80%.

No fim do dia, Maduro ainda ordenou ao partido do governo que fornecesse meios de transporte para sua militância para se deslocar às urnas, após relatos sobre baixa participação. O voto não é obrigatório no país.

Votação

As cerca de 14,5 mil urnas deveriam ser fechadas oficialmente às 18h (19h de Brasília), mas diversos colégios eleitorais continuaram abertos por horas depois do prazo.

Maduro havia indicado mais cedo que os locais de votação continuariam a atender as pessoas que estavam na fila, para “garantir o direito” ao sufrágio, mas colégios sem filas também seguiram abertos aguardando um sinal de Caracas.

Denúncia de fraude

Agências internacionais e membros da oposição apontaram irregularidades nos chamados “pontos vermelhos”, barracas instaladas pelo partido de Maduro, com objetivo de checar quem votou por meio do “carnê da pátria”. O cartão é usado para ter acesso aos programas sociais do governo.

Durante a campanha, Maduro chegou a prometer “prêmios” para quem participar da eleição. Não há informação oficial, mas testemunhas afirmaram que o prêmio seria de 10 milhões de bolívares, ou cerca de US$ 13 no mercado paralelo.

O ex-pastor evangélico Javier Bertucci, que concorreu contra Maduro, afirmou ter recebido mais de 1.400 denúncias de irregularidades, todas elas documentadas.

Protestos

Em várias cidades ao redor do mundo, venezuelanos convocaram protestos contra as eleições. Muitos culpam o governo socialista pelo colapso, enquanto Maduro atribui a situação a uma “guerra econômica” da oposição de direita aliada a Washington.

Protestos

Foto: Divulgação

Neste domingo, o Papa Francisco rezou pela Venezuela: “Peço ao Espírito Santo que dê a todo o povo venezuelano, a todos, governantes, povo, a sabedoria para encontrar o caminho da paz e da unidade”.

Desconfiança internacional

Estados Unidos, Canadá, União Europeia (UE) e vários países latino-americanos afirmam que a eleição não é justa, nem transparente, e acusam Maduro de sufocar a democracia.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, classificou as eleições na Venezuela como “fraudulentas” e disse que elas “não mudam nada” no cenário do país.

Os EUA anteciparam há um mês que não reconheceriam o resultado do pleito deste domingo como estava sendo preparado, e o vice-presidente do país, Mike Pence, pediu recentemente que Maduro suspendesse as eleições, consideradas “falsas”.

*Informações da fonte: Portal G1

Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque

Vereador Capitão Carpê doa 40% do salário para compra de cestas básicas e destina à famílias prejudicadas pela Covid-19 

Avatar

Publicado

em

Por

O vereador Capitão Carpê Andrade (Republicanos) vai doar 40% do salário para comprar cestas básicas que serão doadas as famílias e profissionais da saúde, que estão em risco constante por conta do novo coronavírus. Nesse primeiro momento, cerca de 150 cestas serão distribuídas.

A decisão de doar os mantimentos foi motivada pelo alto índice de desemprego no estado. O Amazonas tem o terceiro maior índice de desemprego do País, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). “As necessidades das famílias aumentou diante desta pandemia, que trouxe impacto econômico mundial”, ressaltou Capitão Carpê.

Pelas rede sociais, o parlamentar também iniciou uma campanha para incentivar doações de seus seguidores. “Precisamos nos unir para ajudar pessoas que perderam seus empregos, que sofrem com a dor da despedida. Famílias que estão passando por necessidades básicas, estão sem renda nesse momento de guerra contra o vírus”, disse.

Informações assessoria

Continue lendo

Amazonas

Covid-19: número de infectados sobe para 226.511 no AM; número de morte chega a 6.043

Avatar

Publicado

em

Foto: Divulgação

Nesta sexta-feira (15), a Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), por meio do Boletim Diário de Covid-19, divulgou o diagnóstico de 3.151 novos casos de Covid-19, totalizando 226.511 casos da doença no Estado.

Segundo o boletim, foram confirmados 113 óbitos por Covid-19, sendo 82 ocorridos no dia (15) e 31 óbitos foram encerrados por critérios clínicos, de imagem, clínico-epidemiológico ou laboratorial, elevando para 6.043 o total de mortes.

Na capital, de acordo com dados da Prefeitura de Manaus, nesta quinta-feira (14), foram registrados 87 sepultamentos por Covid-19. O boletim acrescenta ainda que 28.452 pessoas com diagnóstico de Covid-19 estão sendo acompanhadas pelas secretarias municipais de saúde, o que corresponde a 12,63% dos casos confirmados ativos.

Rede de Assistência

Entre os casos confirmados de Covid-19 no Amazonas, há 1.736 pacientes internados, sendo 1.154 em leitos (529 na rede privada e 625 na rede pública), 555 em UTI (252 na rede privada e 303 na rede pública) e 27 em sala vermelha, estrutura voltada à assistência temporária para estabilização de pacientes críticos/graves para posterior encaminhamento a outros pontos da rede de atenção à saúde.

Há ainda outros 486 pacientes internados considerados suspeitos e que aguardam a confirmação do diagnóstico. Desses, 385 estão em leitos clínicos (96 na rede privada e 289 na rede pública), 66 estão em UTI (30 na rede privada e 36 na rede pública) e 35 em sala vermelha.

Banco de dados

O boletim diário é construído com as informações disponibilizadas diariamente pelas prefeituras municipais, todos os dias da semana, incluindo fins de semana e feriados.

A consolidação dos casos notificados no Amazonas é realizada pela FVS-AM a partir de informações obtidas em três sistemas: e-SUS Notifica, Sistema de Informação da Vigilância Epidemiológica da Gripe (Sivep-Gripe) e o Gerenciador de Ambiente Laboratorial (GAL), até às 10h de cada dia. Em Manaus, foram notificados 284.882 casos, enquanto no interior do estado, o número chega a 282.555.

Ao todo cinco municípios não atualizaram o sistema de informação para consolidação dos dados do boletim. São eles: Amaturá, Apuí, Eirunepé, Iranduba e Itamarati.

Municípios

Dos 226.511 casos confirmados no Amazonas até esta sexta-feira (15/01), 95.707 são de Manaus (42,25%) e 130.804 do interior do estado (57,75%).

Além da capital, os 61 municípios têm casos confirmados: Coari (8.559); Parintins (7.645); Tefé (5.667); São Gabriel da Cachoeira (5.560); Humaitá (5.201); Manacapuru (5.060); Carauari (4.950); Presidente Figueiredo (4.294); Lábrea (4.180); Iranduba (3.787); Barcelos (3.369); Itacoatiara (3.304); Ipixuna (2.923); Eirunepé (2.860); Careiro (2.657); Maués (2.587); Rio Preto da Eva (2.560); Santa Isabel do Rio Negro (2.456); Tabatinga (2.293); São Paulo de Olivença (2.271); Boca do Acre (2.110); Benjamin Constant (1.943); Manicoré (1.913); Nova Olinda do Norte (1.846); Itapiranga (1.837); Autazes (1.769); Atalaia do Norte (1.733); Pauini (1.720); Alvarães (1.655); Urucurituba (1.630); Barreirinha (1.571); Tapauá (1.474); Anori (1.387); Maraã (1.382); Santo Antônio do Içá (1.373); Anamã (1.354); Beruri (1.281); Novo Airão (1.237); Amaturá (1.232); Fonte Boa (1.231); Uarini (1.141); Envira (1.106); Borba (1.090); Urucará (1.046); Guajará (1.031); Nhamundá (1.024); Novo Aripuanã (948); Silves (886); Manaquiri (845); São Sebastião do Uatumã (845); Canutama (812); Tonantins (778); Jutaí (690); Japurá (656); Boa Vista do Ramos (639); Juruá (616); Apuí (614); Itamarati (608); Careiro da Várzea (583); Caapiranga (447) e Codajás (438).

Óbitos

Entre pacientes em Manaus, há o registro de 3.975 óbitos confirmados em decorrência do novo coronavírus. No interior, são 61 municípios com óbitos confirmados até o momento, totalizando 2.068.

A lista inclui Manacapuru (197); Parintins (172); Coari (142); Tefé (115); Itacoatiara (108); Tabatinga (90); Humaitá (86); São Gabriel da Cachoeira (62); Iranduba (60); Maués (53); Lábrea (47); Benjamin Constant (46); Presidente Figueiredo (46); Autazes (44); Manicoré (36); Barcelos (33); São Paulo de Olivença (32); Borba (31); Nova Olinda do Norte (31); Santo Antônio do Içá (31); Alvarães (29); Manaquiri (28); Rio Preto da Eva (28); Careiro (28); Barreirinha (27); Carauari (24); Fonte Boa (22); Santa Isabel do Rio Negro (22); Tonantins (22); Anori (21); Urucará (21); Nhamundá (20); Boca do Acre (18); Itapiranga (18); Jutaí (18); Novo Airão (18); Novo Aripuanã (18); Guajará (17); Beruri (16); Urucurituba (15); Uarini (14); Tapauá (14); Ipixuna (13); Eirunepé (12); Codajás (11); Amaturá (10); Pauini (10); ilves (10); Apuí (9);  Boa Vista do Ramos (9); Caapiranga (9); S Juruá (8); São Sebastião do Uatumã (8); Itamarati (7); Maraã (7); Canutama (7); Careiro da Várzea (6); Atalaia do Norte (5); Japurá (4); Envira (2) e Anamã (1).

Alerta à população

O uso da máscara, manter a distância entre as pessoas, lavagens das mãos com água e sabão ou a utilização de álcool em gel, são recomendações consideradas fundamentais no controle da circulação do vírus da Covid-19, que continua presente no Estado.

 

*Com informações de assessoria

Continue lendo

Destaque

Cilindros vazios e morte: crise na saúde chega ao interior do AM e Iranduba pede socorro

Avatar

Publicado

em

Foto: Rede Amazônica

A crise na saúde pública, gerada pelo o avanço da covid-19 no estado, chama a atenção do mundo para o Amazonas, em especial para a capital do estado, Manaus. Contudo, municípios do interior começam a sentir os efeitos da pandemia com o término do oxigênio nas respectivas unidades de saúde. Com os cilindros vazios em hospital de referência, o município de Iranduba pede socorro e já contabiliza cinco mortes pela falta do gás. Segundo relatos de populares, o oxigênio do Hospital Regional Hilda Freire acabou na noite desta sexta-feira (15), por volta das 23h30.

Ainda conforme os moradores, a Secretaria de Saúde do Estado (SES-AM) esteve no município e alegou ter abastecido os cilindros do hospital, porém, eles continuam vazios. Desde o término de oxigênio na unidade de saúde, cinco pessoas vieram a óbito pela falta do gás, essencial para a vida.

“Temos cilindros, temos dinheiro, mas não conseguimos achar local para recarregar. Sabemos que Manaus está recebendo doações de oxigênio de vários lugares do Brasil. Pedimos, clamamos, imploramos, que possam destinar uma pequena parte ao Hospital Hilda Freire, em Iranduba. Nossa demanda não é tão grande como na capital, mas aqui também são vidas. Diferente de outros municípios do Amazonas, a logística para Iranduba é mais fácil,” disse Izis Aniê, moradora do Distrito do Cacau Pirera.

Segundo a moradora, participantes de uma ação solidária estão com cerca de 24 cilindros  de 50 litros vazios na fila da Carboxi Gases, em Manaus, para reabastecer e levar para o hospital de Iranduba, mas até o momento sem quaisquer perspectivas de recarregá-los.

“Autoridades competentes, organizações civis e a quem puder, olhem por Iranduba! Nossos cilindros estão vazios, os meninos (integrantes da ação solidária no município) estão na fila na Carboxi, mas sem nenhuma certeza de recarga, e as pessoas continuam morrendo por falta de oxigênio”, finalizou.

Artistas se mobilizam para fazer doações

Ciente da situação que vive o sistema de saúde de Manaus, o humorista Whindersson Nunes, por meio das redes sociais, iniciou uma campanha de doação de cilindros de oxigênio para reabastecer as unidades de saúde na capital amazonense. Na ocasião, ele convidou outros artistas a aderirem à campanha.

“Providenciando 20 cilindros de 50L de oxigênio para distribuir nas unidades mais urgentes em Manaus! Alô, meus amigos artistas. Na hora de fazer show é tão bom quando o público nos recebe com carinho, não é? Vamos retribuir?”, escreveu Whindersson no Twitter.

Outros famosos responderam a mensagem de Whindersson e disseram que também iriam ajudar, como o jornalista Hugo Gloss, o ator Bruno Gagliasso e o apresentador Luciano Huck.

A primeira pessoa que confirmou adesão ao pedido de Whindersson foi a apresentadora Tatá Werneck, que se pronunciou através da sua conta no Instagram. Outros nomes de famosos atenderam ao chamado do humorista e entraram nessa “corrente de solidariedade”: Tirullipa, Simone, da dupla com Simaria, e Marília Mendonça, além do pagodeiro Tierry, o casal Wesley Safadão e Thyane, o jogador Richarlisson, que joga atualmente na Inglaterra, o cantor Gusttavo Lima, que doou 150 cilindros, entre outros.

Com a mobilização dos artistas, estima-se que mais de 150 cilindros tenham sido doados.

Oxigênio chega ao AM

Na madrugada deste sábado (16), cerca de 70 mil metros cúbicos de oxigênio chegaram ao estado. De acordo com o Governo do Amazonas, essa remessa irá reabastecer a rede estadual e deve equilibrar a situação dos hospitais nos próximos dias.

“Recebemos, nesta madrugada, essa carga de 70 mil metros cúbicos da maior fornecedora de oxigênio do estado (White Martins), e começamos a reabastecer a normalidade da nossa rede estadual de saúde. Algumas dessas carretas já saíram daqui direto para as unidades para fazer esse abastecimento,” disse Wilson Lima, governador do Estado.

 

*Texto revisado por Narel Desiree

Continue lendo

Facebook

Propaganda
Propaganda
Propaganda

Mais Lidas

Copyright © 2020 Portal do Minuto. Todos Direitos Reservados. Portal - Manaus