Conecte-se conosco

Mundo

Mulher que foi atingida por dois raios, em intervalo de um ano, sobreviveu para contar história

Avatar

Publicado

em

atingida duas vezes por raio

A expressão “um em um milhão” é usada com frequência para descrever alguém muito especial. Mas há muita gente no mundo que se encaixa literalmente nessa estatística. São as pessoas que passam por experiências tão raras que, dificilmente, encontrarão outras com histórias semelhantes.

É o caso da americana Beth Peterson, de 49 anos. Peterson compartilhou com a BBC a história de como sobreviveu a duras penas após ser atingida por um raio – e viveu o mesmo drama de novo, exatamente um ano depois.

‘Minha vida mudou para sempre’

“A chuva encharcou minhas botas e meu coração bateu forte no peito quando um raio partiu uma árvore a 50 metros de mim. Não houve avisos, exceto pelas nuvens negras que cobriam o céu.

Antes que eu pudesse buscar abrigo, um forte raio de luz me atravessou e me jogou a uma distância de mais de 9 metros, sobre um piso de concreto.

Sentia cada centímetro de mim ardendo, ardendo com eletricidade, me matando. Então, tudo ficou escuro.

Eu tinha 24 anos, era soldado do Exército em Fort Benning, na Geórgia. Naquela noite, eu estava inspecionando munições em um depósito com um colega. Ele tentou me reanimar, mas foram os paramédicos que me ressuscitaram depois que o raio – que subiu pelos meus pés, atravessou meu corpo e saiu pela minha boca e cabeça – fez meu coração parar de bater por um curto período.

Quando cheguei ao hospital, os médicos ficaram surpresos com o fato de eu ter sobrevivido. Eu estava semiconsciente, me perguntando se alguém havia disparado ou atirado um explosivo contra mim.

Não podia falar porque minha mandíbula estava quebrada. Não conseguia entender o que me diziam por causa de uma lesão cerebral grave. Não conseguia andar porque os vasos sanguíneos dos meus pés estavam completamente destruídos.

Estava feliz por estar viva, mas minha vida havia mudado para sempre.

Fiz 12 cirurgias para reconstruir minha mandíbula e os dedos dos meus pés foram amputados.

Lentamente, reaprendi a ler, escrever, falar e caminhar – no começo usava muletas e depois, quando fiquei mais forte, passei a usar os músculos do abdômen para manter o equilíbrio.

Me sentia impotente, mas, a cada sinal de recuperação – como falar o alfabeto e completar operações matemáticas básicas – renascia a esperança.

Além de enfrentar a reabilitação física, fui diagnosticada com um transtorno de estresse pós-traumático e tive que me tratar com um psicólogo.

Exatamente um ano depois do dia em que fui atingida por um raio, estava em casa, porque ainda não podia trabalhar, observando a chegada de uma tempestade. Meu psicólogo havia me encorajado a enfrentar meus medos e a não me esconder em casa durante tempestades – por isso, tomei coragem e fui até a varanda.

De repente, senti tudo de novo. A mesma luz, o mesmo ardor agonizante. Fui atirada para dentro de casa, onde meu namorado, David, correu para o meu lado. Antes de perder a consciência, estava convencida de que ia morrer.

A cada ano, mais de 4 mil mortes no mundo são causadas por raios e, aparentemente, as chances de ser atingindo por um raio nos Estados Unidos é uma em 700 mil (no Reino Unido, é de 1 em 10 milhões e no Brasil, de 1 em 1,5 milhão)

Mas não tenho ideia de quais são as chances de uma pessoa ser atingida por dois raios, na mesma data, com um ano de diferença. Nem deve haver essa estatística.

O segundo raio não me feriu fisicamente tanto quanto o primeiro. Como ainda estava em recuperação, os médicos não puderam estimar com precisão a extensão dos danos desse segundo golpe.

Meus dias passaram a ser um fluxo constante de visitas a hospitais e clínicas de reabilitação. Vivia com medo, obcecada por nuvens, chuvas e relâmpagos, examinando o céu constantemente.

Quatro meses depois do segundo raio, já havia recuperado força suficiente para voltar a caminhar usando uma bengala. David, meu namorado, e eu decidimos nos casar. No ano seguinte, tivemos um filho, Casey.

A cada cirurgia, a cada sessão de reabilitação, eles eram a fonte de alegria que me ajudou a superar tudo.

Já se passaram 25 anos e ainda sinto dores. Pode parecer estranho, mas quem já passou por uma amputação vai entender: a dor realmente não vai embora, mas você aprende a conviver com ela.

Ao invés de me concentrar em coisas ruins, faço palestras para outros pacientes com transtorno de estresse pós-traumático e dor crônica.

Em 2013, escrevi um livro sobre como usar a dor para ser mais forte. Os raios podem ter mudado minha vida de uma forma irremediável, mas também me deram um novo propósito: ajudar aos outros.

*Fonte: BBC

Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil

Ernesto Araújo pede demissão do Ministério das Relações Exteriores

Avatar

Publicado

em

Por

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, pediu demissão do cargo nesta segunda-feira (29).

O pedido ocorre após pressão de parlamentares, inclusive dos presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

A situação política de Ernesto vinha se deteriorando nos últimos dias. No Congresso, a avaliação é de que a atuação do ministro isolou o Brasil no cenário internacional e prejudicou a obtenção de doses de vacina contra a Covid-19.

Ernesto adotou em sua gestão os mesmos princípios da política externa do ex-presidente norte-americano Donald Trump. Essa postura gerou atritos com importantes parceiros comerciais, como a China, principal destino das exportações brasileiras, além de maior produtor de insumos para vacinas no mundo.

Continue lendo

Mundo

Criminoso abre fogo em supermercado do Colorado e mata 10 pessoas nos EUA

Avatar

Publicado

em

Por

Um criminoso abriu fogo em um supermercado da cidade de Boulder, no Colorado (Estados Unidos), e deixou 10 mortos mortos nesta segunda-feira (22). Entre as vítimas, está um policial.

O policial morto é Eric Talley, o primeiro a chegar ao supermercado King Soopers, na cidade localizada a cerca de 50 km a noroeste de Denver, capital do Colorado.

“Sabemos de 10 mortes no local, incluindo um de nossos oficiais de Boulder. O oficial Tally respondeu à cena – ele foi o primeiro a chegar – e foi morto a tiros”, disse o chefe de polícia Maris Herold.

De acordo com o comandante da polícia de Boulder, Kerry Yamaguchi, uma pessoa considerada suspeita de ser o criminoso foi presa. Jornalistas da agência Associated Press flagraram um homem saindo algemado do estabelecimento, com sangue escorrendo nas pernas, mas não se sabe como ele se feriu. As motivações para o crime ainda não estão claras.

Continue lendo

Mundo

Cristãos no Iraque preparam-se para receber o papa Francisco

Avatar

Publicado

em

Por

Foto: ONU

Em Mossul mora Thanoun Yahya, resistente cristão iraquiano. Os militares do autoproclamado Estado Islâmico ocuparam sua casa durante três anos. É um dos muitos testemunhos de quem sofreu na pele a violência da guerra. Na visita de três dias ao Iraque, com início marcado para a próxima sexta-feira (5), o papa Francisco fará uma parada em Mossul. Pretende aproximar-se das comunidades vítimas do conflito, onde igrejas foram usadas como tribunais religiosos pelos islamitas.

Thanoun Yahya, de 59 anos, não apagou a mensagem no portão deixada pelos ocupantes. “O Estado Islâmico perdura”, escreveram.

Essa memória assinala a resistência da minoria cristã que ainda vive em território iraquiano. “Mas não restam muitos de nós. A geração mais jovem quer partir”, disse Yahya à Reuters.

No bairro onde mora, só resta a família de Thanoun. Antes, viveram ali mais de 20 pessoas.

“O papa não nos pode ajudar, apenas Deus pode”, disse Yahya, sem deixar de sublinhar que aprecia a visita do Sumo Pontífice da Igreja Católica.

Os cristãos no Iraque chegaram a ser 1,5 milhão e eram tolerados durante o governo de Saddam Hussein.  Após a invasão liderada pelos Estados Unidos em 2003, começou a partida em massa de crentes cristãos.

Em 2004, as minorias religiosas eram sequestradas e executadas pela Al Qaeda. Yahya recorda que teve de vender a serralharia da família para pagar o resgate do irmão.

Mossul foi convertida em cidade-sede do governo islâmico quando, em 2014, um terço do território iraquiano estava sob domínio do Estado Islâmico.

A família de Yahya fugiu para o território curdo ao norte do Iraque e foi das poucas que regressou a Mossul, depois de o Estado Islâmico ceder às mãos dos militares iraquianos, em 2017. Temem que a história se repita.

Atualmente há cerca de 400 mil cristãos no Iraque.

O cardeal Sandri, citado no Vatican News, explica que a viagem do Papa Francisco pretende transmitir uma “mensagem de consolo, de paz, de admiração por tudo o que sofreram”. A mensagem solidária não se dirige apenas a cristãos.

“Ele terá palavras poderosas para o Iraque, onde foram cometidos crimes contra a humanidade”, diz Najeeb Michaeel, arcebispo católico caldeu da cidade de Mossul, citado na France 24.

Francisco pretende que, desse contacto com as diferentes comunidades religiosas, resulte um melhor diálogo cristão-muçulmano. Nests contexto, a agenda do Sumo Pontífice integra um encontro com o principal clérigo xiita, o grande ayatollah Ali Sistani, em Najaf, ao sul de Bagdá.

“É uma visita histórica, o encontro terá grande impacto, estamos falando do chefe de uma comunidade religiosa que representa 20% da população mundial”, destacou o governador de Najaf, Luay al-Yasserit, citado pela France 24.

Francisco foi convidado pelo presidente Barham Saleh em 2019, e a visita ao Iraque irá até 8 de março.

 

*Por Carla Quirino / RTP

Continue lendo

Facebook

Propaganda
Propaganda
Propaganda

Mais Lidas

Copyright © 2021 Portal do Minuto. Todos Direitos Reservados. Portal - Manaus