O número de mortos na passagem do ciclone Idai subiu para 557 nesta sexta-feira (22), segundo autoridades citadas pela Associated Press.

Um balanço da Organização das Nações Unidas (ONU) indica que 259 pessoas morreram em Moçambique e 56 no Malawi. Já o levantamento do Ministério da Defesa do Zimbábue indica que 259 morreram no país.

Na quinta-feira (21), a chefe do escritório humanitário da ONU para o sul e leste da África, Gemma Connell, afirmou que os números podem subir, principalmente em Moçambique, onde uma vasta região continua inundada.

O secretário-geral da Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho, Elhadj As Sy, afirmou que o número de mortes pode passar mil, como o presidente de Moçambique havia previsto inicialmente.

Ele ressalta que a necessidade de ajuda humanitária é grande. “Eles não estão nem perto da magnitude do problema. Temo que veremos melhor nas próximas semanas e meses. Devemos nos preparar”, afirmou.

Ajuda

A cidade da Beira, que ficou 90% destruída com a passagem do furacão na quinta-feira (14), tornou-se um centro para esforços frenéticos de resgate em toda a região.

Na quinta-feira, o ministro do Meio Ambiente de Moçambique, Celso Correia, estimou que quase 15 mil pessoas precisavam ser resgatadas rapidamente das áreas inundadas do país.

Após destruir Beira, que é a segunda maior de Moçambique, com ventos de mais de 177 km/h, seguidos de chuvas torrenciais, o ciclone seguiu para os países vizinhos Zimbábue e Malawi.

Ele já é considerado a pior tempestade tropical a atingir a região nas últimas décadas e pode ser uma das piores a ter atingido o sudeste do hemisfério sul, de acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU).

*Fonte: G1

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Redação
Carregar mais por Internacional

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Veja Também

Atentados em igrejas católicas no Sri Lanka deixam mais de 200 mortos no Domingo de Páscoa

Pelo menos 207 pessoas morreram e cerca de 450 ficaram feridas neste domingo após uma séri…