Conecte-se conosco

Ciência e Tecnologia

Pesquisa auxilia no tratamento de crianças com leucemia linfoide aguda

Avatar

Publicado

em

A leucemia é uma doença que acomete alto número de crianças no Amazonas. Em 2018, foram registrados 48 casos em crianças e adolescentes de 0 a 19 anos, sendo 35 meninos e 13 meninas. Em 2017, foram 60 casos, sendo 39 meninos e 21 meninas, de acordo com a Fundação Hospitalar de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas (Hemoam), centro de referência para diagnóstico e tratamento dos casos de doenças malignas do sangue, no Estado.

Em busca de novos tratamentos para a leucemia linfoide aguda (LLA), pesquisa realizada com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) estudou o perfil imunológico em crianças com LLA, por meio do protocolo de tratamento denominado de GBTLI LLA-2009, utilizado pela primeira vez no Amazonas.

Segundo a pesquisadora Adriana Malheiros, da Fundação Hemoam, durante o estudo foi observado redução significativa da célula T regulatória (um tipo específico de linfócitos que tem função de regular a resposta imune), em pacientes com LLA ao diagnóstico, quando comparados com indivíduos saudáveis. Entretanto, o grupo de alto risco apresentou significante redução destas células do que o grupo de baixo risco.

“Com todo trabalho desenvolvido conseguimos traçar um perfil imunológico mostrando alguns mediadores produzidos durante a resposta imune, podendo ser usado com biomarcadores da resposta ao tratamento nestes pacientes, no entanto mais estudos deverão ser feitos para comprovação dos mesmos”, conta.

Protocolo

A pesquisa contou com apoio da atual diretora-presidente do Hemoam, a médica Maria do Pérpetuo Socorro Sampaio, que realizou o acompanhamento clínico dos pacientes. Maria do Pérpetuo Sampaio explica que o protocolo GBTLI é utilizado nacionalmente e que o procedimento foi realizado nos pacientes em tratamento no Hemoam.

“O GBTLI é um procedimento de protocolo brasileiro já aplicado em outras regiões que conta com cinco grupos de tratamento, a partir do oitavo dia de tratamento ocorre estratificação fazendo um total de 12 subgrupos. O protocolo tem a finalidade de aumentar a sobrevida dos pacientes com melhora na qualidade de vida. O estudo serviu para entender a resposta do perfil imune do paciente. No decorrer do tratamento, inicial de indução, investigou a ocorrência de algum fator imune que pudesse ser encontrado para justificar esta resposta, assim como servir de base, para comparar com outras regiões e em outros países”, explicou.

Para Adriana, muitos tratamentos têm sido propostos na tentativa de buscar a efetividade na cura das leucemias.

“O tratamento apresenta diversas etapas, desde o acompanhamento inicial, até a completa cura do paciente. No entanto, observou-se que muitos destes pacientes apresentam recaídas, sugerindo que pode ser devido a fatores imunes importantes ao diagnóstico e desenvolvidos ao longo do tratamento. Desta forma, pode-se compreender que os mecanismos imunes envolvidos na imunossupressão (ato de reduzir a atividade ou eficiência do sistema imunológico) durante a fase de indução do tratamento, assim como a reconstituição imune nestes pacientes é de fundamental importância para o sucesso do trabalho atualmente proposto”, disse.

Tratamento

Foi feita coleta de sangue periférico dos pacientes com LLA no dia 0 (D0) que significa na fase inicial, (D8) oito dias, (D15) 15 dias (D35) 35 dias. Adriana explica que os pacientes foram acompanhados de acordo com o intervalo de tempo compreendido entre o diagnóstico e o dia 35 da indução.

“A ideia foi verificar existência do marcador imunológico que pudesse auxiliar no tratamento. Quando realizamos estudo de várias moléculas imunológicas em determinadas doenças, muitas vezes estamos buscando o que a gente chama de biomarcador (responsável pelo paciente responder ou não ao tratamento). Esses pacientes são acompanhados e quando chegam, por exemplo, no oitavo dia de tratamento e não respondem bem, temos que mudar de grupo de tratamento, porque são vários grupos de tratamento de alto risco e baixo risco,” disse.

Leucemia  Lifoide – LLA

 Leucemia aguda é um grupo heterogêneo de doenças malignas primárias da medula óssea caracterizada pela substituição dos elementos medulares e sanguíneos normais pela expansão clonal de células hematopoiéticas imaturas na medula óssea. Caracteriza-se de maior gravidade pela sua evolução rápida e maior risco de óbito no caso de demora ao tratamento, diferente das leucemias crônicas que têm seu quadro mais arrastado.

Diagnóstico

 Inicia com a suspeita clínica e a partir daí começa a investigação laboratorial. O hemograma é o exame considerado importante para triagem de investigação inicial da leucemia. No material são analisados componentes do sangue como: glóbulos vermelhos, plaquetas e células brancas.

Pró- Estado

Intitulado “Estudo do Perfil Imunológico em Crianças com Leucemia Linfoide Aguda no Amazonas”, o projeto teve apoio da Fapeam, por meio do Programa de Apoio à Consolidação das Instituições Estaduais de Ensino e/ou Pesquisa (Pró-Estado), edital Resolução N. 002/2008.

O objetivo do Pró-Estado é fortalecer e incentivar o desenvolvimento de iniciativas que ampliem a formação de recursos humanos em nível de pós-graduação stricto sensu, além de apoiar ações de formação de recursos humanos e melhoria da infraestrutura de pesquisa de instituições vinculadas ao Governo do Estado.

 

Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil

Brasileiro é um dos mais jovens advogados aprovados para atuar nos EUA

Avatar

Publicado

em

Por

No dia 15 de abril, a Corte Suprema de Nova York vai receber o juramento de um dos advogados mais jovens já credenciados no Estado. Ele é o brasiliense Mateus de Lima Costa Ribeiro, de 21 anos, aprovado em exame do New York State Bar Association — equivalente à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

“É o resultado de muita dedicação. O que você colhe está completamente ligado a coisas que você fez em 7, 8, 10 anos”, disse Mateus ao G1.

Em 2019, o brasiliense foi aprovado para um mestrado na Universidade Harvard, nos Estados Unidos, considerada uma das melhores do mundo. Segundo ele, a experiência o fez “rever todas as premissas”.

“Quando cheguei lá, percebi que havia muita demanda por pessoas que entendem tanto o universo jurídico brasileiro quanto o americano, e o mestrado em Harvard abre a porta para você fazer a prova do Bar”, conta.

Mateus reconhece que faz parte de uma exceção. “A realidade de estudar fora, de aprender e falar bem inglês, de ter acesso a um país diferente é um negócio que precisa crescer cada vez mais, que precisa, cada vez mais, deixar de ser a exceção”, disse.

Na família, Mateus não foi o único a seguir o direito e se formar cedo. Ele foi quem quebrou o recorde do irmão, João Costa Ribeiro Neto, que conquistou a carteira da OAB aos 20 anos. A irmã, Clarissa Costa Ribeiro, foi graduada em direito aos 20 anos.

A prova do “Bar”, em New York, ocorreu em outubro de 2020, quando ele tinha 20 anos. No mesmo mês, Mateus voltou ao Brasil e, atualmente, ele trabalha em um escritório de advocacia em São Paulo, que presta apoio jurídico a empresas brasileiras que fazem operações internacionais.

“Pretendo trabalhar e ajudar a economia do Brasil justamente como uma ponte entre as empresas daqui e o mercado financeiro de Nova York. Empresas que estão se financiando para crescer, contratar pessoas. Sinto esse chamado, de ser essa ponte [entre os dois países]”, conta.

Fonte: G1

Continue lendo

Amazonas

Butantan estudará efeito da Coronavac em pessoas com comorbidades em Manaus

Avatar

Publicado

em

Por

O Instituto Butantan aplicará a CoronaVac em pessoas com comorbidades em Manaus em um estudo clínico para medir os efeitos da vacina contra Covid-19 na população com problemas de saúde pré-existentes, informou o instituto paulista nesta quarta-feira.

Para o estudo com pessoas do chamado grupo de risco para o coronavírus serão enviadas a partir de quinta-feira 10.156 doses da CoronaVac à capital do Amazonas para serem aplicadas em profissionais de educação e da segurança pública da rede estadual, com idade entre 18 e 49 anos. Este grupo, que terá a vacinação antecipada, será acompanhado pela equipe de pesquisadores que participa do estudo.

Dez mil pessoas participarão do estudo, sendo que 5 mil receberão a vacina do laboratório chinês Sinovac e 5 mil farão parte do grupo controle. A capital do Amazonas foi escolhido pois lá predomina a variante P1 do coronavírus, originada na cidade e que é mais transmissível.

Também nesta quarta o Butantan iniciou a segunda fase do estudo clínico com a CoronaVac na cidade de Serrana, no interior de São Paulo. A ideia é vacinar toda a população adulta da cidade com a vacina para medir os efeitos do imunizante na pandemia na cidade.

Fonte: UOL

Continue lendo

Pesquisa e Inovação

“Super-Terra” pode ter pistas sobre atmosferas em planetas distantes

Avatar

Publicado

em

Por

Foto: Reuters

Cientistas encontraram um planeta que orbita uma estrela relativamente próxima ao nosso sistema solar e que pode oferecer uma grande oportunidade para estudar a atmosfera de um planeta rochoso e semelhante à Terra, o tipo de pesquisa que poderia auxiliar na busca por vida extraterrestre. 

Os pesquisadores afirmaram na quinta-feira que o planeta, chamado Gliese 486 b e classificado como uma “Super-Terra” não é em si um candidato promissor como um refúgio para a vida. Imagina-se que ele seja inóspito –quente e seco como Vênus, com possíveis rios de lava fluindo em sua superfície.

Mas a proximidade com a Terra e as características físicas o tornam um bom candidato para um estudo de atmosfera com os telescópios espaciais e terrestres de nova geração, começando com o Telescópio Espacial James Webb, que a Nasa deve lançar em outubro.  Esses devem fornecer aos cientistas dados para decifrar as atmosferas de outros exoplanetas –planetas que ficam além do nosso sistema solar– incluindo os que podem abrigar vida.

“Nós dizemos que o Gliese 486 b irá se tornar instantaneamente a Pedra de Rosetta da exoplanetologia –pelo menos para os planetas semelhantes à Terra”, disse o astrofísico e co-autor do estudo José Caballero, do Centro de Astrobiologia da Espanha, em referência à antiga placa de pedra que ajudou pesquisadores a decifrar os hieróglifos egípcios.

Cientistas descobriram mais de 4.300 exoplanetas. Alguns deles são gigantes de gás, similares a Júpiter. Outros são menores, rochosos, planetas mais parecidos com a Terra, o tipo que é considerado um potencial mantenedor da vida, mas os instrumentos científicos disponíveis atualmente nos dizem pouco sobre suas atmosferas.

“O exoplaneta precisa ter as configurações físicas e orbitais corretas para que seja elegível para investigação atmosférica”, disse o cientista planetário Trifon Trifonov, do Instituto Max Planck para Astronomia, na Alemanha, principal autor da pesquisa publicada na revista Science.

 

*Fonte: Reuters

Continue lendo

Facebook

Propaganda
Propaganda
Propaganda

Mais Lidas

Copyright © 2021 Portal do Minuto. Todos Direitos Reservados. Portal - Manaus