Conecte-se conosco

Ciência e Tecnologia

Por que a velocidade da Terra nesta sexta será 7.000 km/h mais lenta que em janeiro

Publicado

em

afélio

Nesta sexta-feira, 6 de julho, a Terra estará mais distante do Sol do que em qualquer outro dia deste ano de 2018.

Nesse dia, o planeta atingirá seu afélio, palavra de origem grega que significa “longe do Sol”.

“O afélio é o ponto da órbita ao redor do Sol em que a Terra fica mais longe do astro e o periélio (que quer dizer ‘perto do Sol’) é justamente o oposto, o ponto da órbita em que a Terra fica mais próxima ao astro”, disse à BBC Mundo Nayra Rodríguez Eugenio, astrofísica e professora do Instituto de Astrofísica das Canarias, em Tenerife, na Espanha.

“No periélio, o Sol está a aproximadamente 147 milhões de quilômetros da Terra; no afélio está a uns 152 milhões de quilômetros do Sol.”

A distância varia porque a órbita da Terra ao redor do Sol não é uma circunferência perfeita, mas elíptica.

Velocidade

O afélio ocorre a cada ano entre 2 e 7 de julho. O periélio foi no dia 3 de janeiro.

A Terra alcançará sua maior distância do Sol no dia 6 de julho às 17h46 GMT (14h46 no horário de Brasília), quando o planeta e seu astro estarão a 152.095.566 de quilômetros um do outro.

A maior distância se traduz numa velocidade de órbita menor.

Assim como foi assinalado por uma das chamadas leis de Kepler (sobre movimentos planetários, formuladas pelo astrônomo e matemático alemão Johannes Kepler no século 17), quando os planetas estão perto do Sol eles se movem mais rápido do que quando estão longe.

A velocidade orbital de translação será de 103.536 quilômetros por hora, mais de 7.000 quilômetros a menos por hora do que a velocidade no periélio.

Estações do ano

As reduções ou aumento de velocidade da Terra na rota ao redor do Sol não têm nada a ver com as variações de temperatura e clima das estações do ano.

“As estações acontecem pela inclinação do eixo de rotação da Terra em relação ao plano de órbita que faz ao redor do Sol, que chamamos de ‘eclíptica'”, disse Rodríguez Eugenio.

“Esse eixo está inclinado a uns 23,5 graus, por isso, quando estamos no verão do Hemisfério Norte, o eixo norte, ou Polo Norte da Terra, está apontado mais em direção ao Sol. Já no inverno, nosso Polo Norte está apontado na direção oposta — não exatamente oposto, cerca de 23,5 graus, mas está apontado na direção oposta ao Sol.”

Mais água no hemisfério sul

O verão do Hemisfério Norte coincide com o afélio, “mas recebemos mais radiação solar aqui no Hemisfério Norte porque o Sol está mais alto sobre o horizonte e temos mais horas de luz solar”, explicou a astrofísica.

No Hemisfério Sul, por outro lado, o verão coincide com o periélio.

“Isso poderia nos fazer pensar que no Hemisfério Sul a temperatura sobe mais do que no Norte no verão porque, além da inclinação, a Terra também está mais perto do Sol”, disse Rodríguez Eugenio.

Mas não é o que acontece.

O que acontece é que “no Hemisfério Sul há mais quantidade de água e isso faz com que a temperatura não aumente tanto”, diz ela.

“Isso parece que se deve ao fato de que a Terra esquenta mais facilmente do que a água e, como o Hemisfério Sul tem uma proporção maior do seu território coberta por água, o excesso de energia é absorvido por ela.”

Por isso, no verão, tanto no Hemisfério Sul como no Norte, a temperatura é aproximadamente a mesma”, explicou a astrofísica.

*Com informações: BBC

Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Amazonas

Projeto instala sistema de energia solar em comunidade ribeirinha no Amazonas

Publicado

em

Por

O dia 15 de junho de 2021 vai ficar marcado na história das 32 famílias que moram na Comunidade Santa Helena dos Ingleses, localizada na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Rio Negro, município de Iranduba, na Região Metropolitana de Manaus (RMM). É que depois de 32 anos convivendo com o vai e vem na energia elétrica, os moradores finalmente vão ter o serviço 24 horas por dia e sem interrupções.

O benefício foi viabilizado pelo projeto “Sempre Luz”, resultado da parceria entre a Fundação Amazônia Sustentável (FAS) e a empresa Unicoba da Amazônia S.A, que implantou o sistema de energia solar na comunidade ribeirinha. Santa Helena dos Ingleses é a primeira comunidade do Brasil em que todas as casas, propriedades privadas, igrejas, centro comunitário e escola são abastecidas pela energia solar.

Assistir à TV, um sonho antigo

Na casa do seu Dorval Rodrigues, que mora com a esposa e dois enteados na comunidade há 10 anos, tem apenas dois eletrodomésticos: um freezer e um ventilador. Com a chegada da energia solar ele vai conseguir realizar um sonho antigo: comprar uma TV para acompanhar o noticiário nacional.

“Agora eu vou poder comprar uma televisão para assistir aos programas que eu e minha família gostamos e também uma geladeira, porque, agora, com energia direta aqui na comunidade, vamos poder fazer isso”, revela o agricultor de 37 anos.

Veja a matéria completa em: Revista Cenarium http://encurtador.com.br/fEKX1

Continue lendo

Ciência e Tecnologia

Caso de infecção por “fungo preto” é investigado no Amazonas

Publicado

em

Fungo Mucor, ilustrado na imagem, é um dos responsáveis pela mucormicose que acomete os pacientes com Covid-19 na Índia — Foto: Getty Images via BBC

Um caso de mucormicose, infecção causada por fungo chamado popularmente de “fungo preto”, está sendo investigado em um paciente em Manaus, segundo informou no domingo (30) a Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas.

O fungo foi diagnosticado em um homem, de 56 anos, residente em Manaus. Com histórico de diabetes tipo 2, usuário de insulina, o paciente foi internado em 12 de abril, no Hospital e Pronto-Socorro Dr. João Lúcio, na zona leste da capital. Depois, ele foi transferido para o hospital da Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT), onde morreu em 16 de abril.

Ao ser internado, o paciente apresentou sintomas gripais, mas o teste RT-PCR teve resultado negativo para Covid-19. Ele apresentou prurido no olho direito, que avançou para uma infecção.

A comunicação de risco foi feita pelas autoridades responsáveis do Amazonas ao Centro de Informações Estratégicas e Resposta em Vigilância em Saúde nacional, após o recebimento do resultado de exames informado pela Fundação de Medicina Tropical na última sexta-feira (28). A investigação será concluída após análise de material coletado pelo Laboratório Central de Saúde Pública, que será enviado também para a Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro.

Continue lendo

Brasil

Brasileiro é um dos mais jovens advogados aprovados para atuar nos EUA

Publicado

em

Por

No dia 15 de abril, a Corte Suprema de Nova York vai receber o juramento de um dos advogados mais jovens já credenciados no Estado. Ele é o brasiliense Mateus de Lima Costa Ribeiro, de 21 anos, aprovado em exame do New York State Bar Association — equivalente à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

“É o resultado de muita dedicação. O que você colhe está completamente ligado a coisas que você fez em 7, 8, 10 anos”, disse Mateus ao G1.

Em 2019, o brasiliense foi aprovado para um mestrado na Universidade Harvard, nos Estados Unidos, considerada uma das melhores do mundo. Segundo ele, a experiência o fez “rever todas as premissas”.

“Quando cheguei lá, percebi que havia muita demanda por pessoas que entendem tanto o universo jurídico brasileiro quanto o americano, e o mestrado em Harvard abre a porta para você fazer a prova do Bar”, conta.

Mateus reconhece que faz parte de uma exceção. “A realidade de estudar fora, de aprender e falar bem inglês, de ter acesso a um país diferente é um negócio que precisa crescer cada vez mais, que precisa, cada vez mais, deixar de ser a exceção”, disse.

Na família, Mateus não foi o único a seguir o direito e se formar cedo. Ele foi quem quebrou o recorde do irmão, João Costa Ribeiro Neto, que conquistou a carteira da OAB aos 20 anos. A irmã, Clarissa Costa Ribeiro, foi graduada em direito aos 20 anos.

A prova do “Bar”, em New York, ocorreu em outubro de 2020, quando ele tinha 20 anos. No mesmo mês, Mateus voltou ao Brasil e, atualmente, ele trabalha em um escritório de advocacia em São Paulo, que presta apoio jurídico a empresas brasileiras que fazem operações internacionais.

“Pretendo trabalhar e ajudar a economia do Brasil justamente como uma ponte entre as empresas daqui e o mercado financeiro de Nova York. Empresas que estão se financiando para crescer, contratar pessoas. Sinto esse chamado, de ser essa ponte [entre os dois países]”, conta.

Fonte: G1

Continue lendo

Facebook

Propaganda
Propaganda
Propaganda

Mais Lidas

Copyright © 2021 Portal do Minuto. Todos Direitos Reservados. Portal - Manaus