Conecte-se conosco

Mundo

Vilarejo na Suíça paga cerca de R$ 80 mil para quem decidir morar no país

Publicado

em

O pequeno vilarejo suíço de Albinen planeja pagar 25.000 francos suíços (cerca de 82.400 reais) a quem decidir se mudar para lá. A proposta será votada pelo conselho da cidade no dia 30 de novembro e busca reverter o declínio populacional na localidade.

Situada entre as montanhas da região de Valais, a 1.300 metros de altitude, Albine conta somente 240 moradores e o êxodo preocupa os habitantes.

Recentemente, a saída de três famílias fez com que a escola da cidade fechasse as portas, relatou o prefeito Beat Jost ao jornal suíço ATS. Com isso, as crianças têm que se deslocar para uma cidade vizinha, localizada a 20 minutos de ônibus, para estudar.

Além do benefício ao morador, a proposta prevê um bônus de outros 25.000 francos suíços se a pessoa trouxer seu cônjuge, e mais 10.000 francos suíços (32.900 reais) para cada criança.

A oferta de auxílio exige que o novo morador permaneça no vilarejo por, pelo menos, 10 anos. Além de comprar uma casa no valor aproximado de 200.000 francos suíços (659.000 reais), que deve ser a residência principal do morador. Outro requisito é ter até 45 anos de idade.

*Com informações da fonte: Portal Veja

Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque

Imprensa mundial chama presidente argentino de “racista” e “vergonha”

Publicado

em

Por

Os periódicos da Argentina e do mundo não pouparam críticas ao presidente Alberto Fernández após o mandatário afirmar, na quarta-feira (9/6), que os “mexicanos saíram dos índios, brasileiros saíram da selva, mas nós, os argentinos, chegamos de barcos que vinham da Europa. E assim construímos nossa sociedade”.

O comentário foi considerado “infeliz” e “desastroso”; e Fernández, uma “vergonha” e “racista”.

O jornalista Eduardo Feinmann, do La Nación, destacou que as declarações de Alberto Fernández foram uma “vergonha nacional”. Para o apresentador, o presidente argentino é o “filósofo racista do século 21″. “É extremamente racista com os brasileiros e com os mexicanos”, assinalou ele.

Com informações: Metrópoles

 

Continue lendo

Mundo

Rússia aprova lei que pode banir das eleições opositores de Navalni a Testemunhas de Jeová

Publicado

em

Por

Os senadores russos aprovaram, nesta quarta-feira, 2, por ampla maioria, uma lei que abre caminho para proibir que qualquer pessoa considerada extremista e opositores do presidente Vladimir Putin, como Alexei Navalni e seus aliados, disputem eleições no País.

O termo “extremismo” tem uma definição muito ampla na lei russa e permite às autoridades lutar contra organizações de oposição, como a Fundação Anticorrupção fundada por Navalni, e facções racistas ou terroristas, bem como grupos religiosos como as Testemunhas de Jeová.

O projeto de lei foi aprovado por 146 senadores, e recebeu apenas um voto contrário e uma abstenção. Para que entre em vigor, falta apenas a assinatura de Putin. Em abril, a Justiça da Rússia – que é nominalmente independente, mas toma decisões frequentemente alinhadas aos interesses do Kremlin – ordenou a suspensão das atividades das organizações ligadas a Navalni.

A medida está vinculada a um processo em que os promotores pedem o banimento definitivo dos grupos sob acusação de extremismo. Assim, além de não poder disputar as eleições, qualquer pessoa ligada ao opositor – que ocupou manchetes no mundo todo depois de sofrer um envenenamento no ano passado – pode ser impedida de concorrer a cargos eletivos na Rússia.

A nova lei se aplica aos líderes das organizações, que perdem o direito de disputa eleitoral por cinco anos, e a ativistas e dezenas de milhares de pessoas que apoiam causas consideradas extremistas por meio de doações, que podem ser proibidos de apresentar candidaturas por três anos.

Veja a matéria completa em: Revista Cenarium encurtador.com.br/ikpSU

Continue lendo

Destaque

Índia se torna o 3º país a superar 300 mil mortes por Covid

Publicado

em

Por

Parentes lamentam a morte de familiar com Covid-19 do lado de fora de um necrotério em Nova Délhi, capital da Índia, nesta segunda (24) — Foto: Money Sharma/AFP

Índia se tornou nesta segunda-feira (24) o terceiro país a superar a marca de 300 mil mortes por Covid-19, depois de Estados Unidos Brasil, em meio a uma agressiva segunda onda da pandemia.

Foram 4.454 óbitos nas últimas 24 horas, segundo dados do Ministério da Saúde indiano, o segundo maior número já registrado pelo país na pandemia (o recorde mundial foi registrado na terça).

O país confirmou mais de 57 mil mortes por Covid-19 nas últimas duas semanas, elevando o total de vítimas para mais de 303 mil. Os EUA têm 589 mil óbitos e o Brasil, 449 mil.

Índia registrou também 222 mil novos casos, o menor patamar diário desde 15 de abril, mas a segunda onda de Covid-19 segue devastando o país há quase dois meses, com hospitais lotados e crematórios que não conseguem atender ao volume de corpos.

Continue lendo

Facebook

Propaganda
Propaganda
Propaganda

Mais Lidas

Copyright © 2021 Portal do Minuto. Todos Direitos Reservados. Portal - Manaus